Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Maduro: apesar de pandemia e sabotagem, eleições parlamentares vão ocorrer de qualquer maneira

© REUTERS / Handout Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, discursa em evento em Caracas
Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, discursa em evento em Caracas - Sputnik Brasil
Nos siga no
Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, garantiu neste domingo (6) que, apesar da pandemia do coronavírus e de tentativas de "sabotagem", eleições parlamentares vão ocorrer de qualquer maneira. 

"Que ninguém venha nos falar de suspender eleições, ninguém no mundo", afirmou o líder chavista durante um ato do governo transmitido pela televisão, segundo a agência AP. 

Segundo Maduro, a Constituição venezuelana determina a realização do pleito no dia 6 de dezembro. "Na Venezuela estamos obrigados pela Constituição, chova, troveje ou relampeje, a realizar eleições em 6 de dezembro", afirmou o presidente. 

O chefe de Estado disse ainda que em outros países ocorreram eleições em "meio a uma pandemia terrível". Maduro citou inclusive os Estados Unidos, que não adiaram a votação marcada para 3 de novembro para definir quem ocupará a Casa Branca no próximo mandato. 

"Nós, com todas as medidas que estamos tomando, vamos chegar em uma situação muito melhor do que estamos agora", afirmou o líder. Maduro disse ainda que alguns setores locais querem "sabotar as eleições" e "impedir" a realização do pleito. 

Capriles sugere adiamento da votação

A declaração do chavista ocorre pouco tempo depois do ex-candidato presidencial Henrique Capriles pedir o adiamento do processo eleitoral para evitar o risco de aumento de infecções do novo coronavírus. Recentemente, Capriles rompeu com o posicionamento da oposição de boicotar o pleito. 

A votação de 6 de dezembro elegerá novos membros da Assembleia Nacional, que passou a ser dominada pela oposição após as eleições de 2015. O ex-líder da Casa, Juan Guaidó, autoproclamou-se presidente interino da Venezuela em 2018, gesto que recebeu o apoio dos Estados Unidos e outros 50 países, entre eles o Brasil.

Segundo levantamento feito pela Universidade Johns Hopkins, a Venezuela registra 53.289 casos da COVID-19 e 428 mortes.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала