China no radar: chefe da OTAN alerta como COVID-19 pode fortalecer rivais da aliança

© AP Photo / Virginia MayoPorta-voz da OTAN e ex-primeiro ministro da Noruega, Jens Stoltenberg
Porta-voz da OTAN e ex-primeiro ministro da Noruega, Jens Stoltenberg  - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Os adversários em potencial podem tentar tirar vantagem da crise econômica desencadeada pelo novo coronavírus comprando participações controladoras nas indústrias estratégicas dos membros da OTAN, alertou o chefe da aliança, Jens Stoltenberg, nesta quarta-feira (15).
"Os efeitos geopolíticos da pandemia podem ser significativos", declarou ele em entrevista coletiva após uma reunião virtual de emergência dos ministros da Defesa da OTAN, focada no impacto da COVID-19.

"Alguns podem tentar usar a desaceleração econômica como uma abertura para investir em nossas indústrias e infraestrutura críticas, o que por sua vez pode afetar nossa segurança de longo prazo e nossa capacidade de lidar com a próxima crise, quando ela vier", esclareceu ele.

Stoltenberg não nomeou os países adversários, mas sua mensagem foi direcionada à China, que está comprando empresas de portos e telecomunicações da Europa.

© REUTERS / Dado RuvicLogotipo da Huawei com bandeira chinesa em segundo plano
China no radar: chefe da OTAN alerta como COVID-19 pode fortalecer rivais da aliança - Sputnik Brasil
Logotipo da Huawei com bandeira chinesa em segundo plano

Ele destacou que muitos ministros "destacaram a importância de indústrias e infraestrutura críticas" e enfatizaram que "telecomunicações confiáveis" eram necessárias para funcionar em tempos de crise. Ele também enfatizou a necessidade de combater a desinformação com o objetivo de dividir a aliança.

"A melhor resposta à desinformação e propaganda é uma imprensa livre e independente, é o trabalho de jornalistas", comentou.

Ele acrescentou que, enquanto a OTAN emprestou sua capacidade militar para ajudar os Estados membros a lidar com a pandemia, principalmente através do transporte aéreo de equipamentos médicos, lições poderiam ser aprendidas sobre como se integrar melhor aos esforços civis "antes da próxima crise".

Questionado sobre a decisão dos EUA de congelar seu financiamento da Organização Mundial da Saúde (OMS), ele se recusou a fazer qualquer crítica a Washington.

"A OTAN não é membro dessa organização", resumiu ele, mas complementou que usa as diretrizes da OMS nas missões e operações da OTAN. "Acredito na importância da cooperação internacional e da transparência", concluiu.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала