Novo voo São Paulo-Malvinas gera protestos de veteranos argentinos

© Sputnik / Francisco LucottiVeteranos e familiares de ex-combatentes da guerra das de Malvinas (1982) se manifiestam na frente da Ministério das Relações Exteriores da Argentina, em Buenos Aires
Veteranos e familiares de ex-combatentes da guerra das de Malvinas (1982) se manifiestam na frente da Ministério das Relações Exteriores da Argentina, em Buenos Aires - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Novo voo São Paulo-Malvinas foi inaugurado no Dia da Soberania Nacional argentina, gerando protestos por parte de veteranos da guerra das Malvinas de 1982. As ilhas, ricas em petróleo, são território disputado entre o Reino Unido e a Argentina.

A companhia aérea LATAM inaugurou o voo São Paulo-Malvinas, com escala na cidade argentina de Córdoba. Veteranos de guerra protestaram em frente ao Ministério das Relações Exteriores, em Buenos Aires. 

"Repudiamos a entrega que esse governo [de Mauricio Macri] faz da soberania nacional, que transformou a nossa chancelaria, de defensora de nossos direitos, em gestora dos interesses britânicos nas ilhas Malvinas", disse à Sputnik Mundo Gustavo Pirich, presidente da Associação de Combatentes das Malvinas pelos Direitos Humanos.

O grupo manifestou repúdio pela decisão da justiça que deu permissão para a abertura da nova rota. O voo foi inaugurado no dia 20 de novembro, data em que se celebra o "Dia da Soberania Nacional" na Argentina.

Veteranos e familiares de ex-combatentes da Guerra das Malvinas (1982, contra o Reino Unido) repudiam a inauguração de novo voo para as ilhas no dia da soberania e a política internacional do governo Maurício Macri.  

Política de Macri para as Malvinas

O grupo de manifestantes também expressou desacordo com o acordo Foradori-Duncan, assinado em 13 de setembro de 2016, que "elimina todas as travas que impedem o desenvolvimento normas das ilhas, no que para nós constituiu uma verdadeira rendição ao inimigo, usurpador de nossos territórios", disse Pirich.

© AP Photo / Eduardo Di BaiaSoldados argentinos no Monumento aos Soldados Caídos durante a Guerra das Malvinas, Argentina, 2 de abril de 2007
Novo voo São Paulo-Malvinas gera protestos de veteranos argentinos  - Sputnik Brasil
Soldados argentinos no Monumento aos Soldados Caídos durante a Guerra das Malvinas, Argentina, 2 de abril de 2007

Na ocasião, os governos Macri e Theresa May se comprometeram a aprofundar o "crescimento econômico e o desenvolvimento sustentável das Malvinas, incluindo pesca, navegação e hidrocarbonetos".

Os manifestantes acreditam que o acordo implica o reconhecimento da perda da soberania sobre as ilhas por parte da Argentina.

"Estamos aqui para exigir que o Governo Britânico sente-se para negociar a soberania [sobre as Malvinas], conforme estipulado pela ONU, e também que o futuro governo do nosso país tenha a firmeza necessária e vontade política para que a Argentina volte a ser dos argentinos", concluiu Pirich.

O acordo de 2016 permitiu voos com destino ao arquipélago provenientes de países terceiros, sem escalas no território argentino.

Disputa sobre as ilhas Malvinas

O Reino Unido ocupou o arquipélago das Malvinas, localizado na costa argentina, em 1833. Em 1982, a ditadura argentina tentou reaver o território e iniciou uma guerra na qual morreram mais de 649 soldados argentinos, 255 britânicos e três moradores das ilhas.

As ilhas possuem reservas de petróleo offshore, além de estarem localizadas em uma área estratégica no Atlântico Sul. A Organização das Nações Unidas reconheceu, em 1965, as ilhas Malvinas como um território em disputa controlado pelo Reino Unido.

© AFP 2022 / JUAN MABROMATAPessoas perante o monumento às ilhas Malvinas, Tierra del Fuego, Argentina (foto de arquivo)
Novo voo São Paulo-Malvinas gera protestos de veteranos argentinos  - Sputnik Brasil
Pessoas perante o monumento às ilhas Malvinas, Tierra del Fuego, Argentina (foto de arquivo)

O Brasil reconhece o direito argentino sobre as ilhas Malvinas desde a ocupação britânica, e reitera seu apoio em órgãos internacionais e em foros da política regional.

Na ocasião da guerra entre a Grã Bretanha e a Argentina, em 1982, o Brasil forneceu apoio político à Argentina, mas não se envolveu nas hostilidades. O país defende a resolução da disputa por meio do diálogo.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала