Suspensão do Parlamento anunciada pelo premiê britânico é vista como 'golpe' contra a instituição

© Sputnik / Aleksei Filipov / Abrir o banco de imagensBoris Johnson em Moscou.
Boris Johnson em Moscou. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, irá suspender as sessões do Parlamento de Westminster até 14 de outubro, de acordo com informações da imprensa britânica.

Johnson toma esta decisão a fim de se proteger de qualquer tentativa dos parlamentares pró-europeus que possa frustrar a saída do Reino Unido da UE em 31 de outubro.

"Penso que a decisão do primeiro-ministro é extremamente questionável e realmente alarmante", anunciou Dominic Grieve, parlamentar do Partido Conservador e ex-advogado-geral do Estado.

A decisão do premiê britânico de limitar as oportunidades dos legisladores que ameaçam interferir nos seus planos em relação ao Brexit representa um golpe contra o Parlamento, disse esta quarta-feira (28) a política britânica Diane Abbott, do Partido Trabalhista.

"Boris Johnson está tentando fazer um golpe contra o Parlamento. Contra vocês os eleitores e contra os representantes políticos. [Seguindo] para um desastroso [Brexit] sem acordo onde o único que sai a ganhar é Trump".

A suspensão do Parlamento será confirmada após uma audiência da rainha Elisabeth II com o Conselho Privado prevista para hoje (28) no castelo de Balmoral, na Escócia.

Durante a reunião, o governo irá confirmar sua intenção de apresentar um novo programa legislativo em 14 de outubro durante o chamado "Discurso da Rainha".

Boris Johnson exigiu lealdade ao seu grupo parlamentar para conseguir obter resultados favoráveis na negociação do Brexit com a União Europeia, que poderia começar nos próximos dias.

"Os Estados membros estão observando com grande interesse o que o Parlamento faz e apenas demonstrando união e resolução teremos a oportunidade de assegurar um novo pacto que possa apoiar o Parlamento", destacou Johnson.

"Esta manhã [28 de agosto] falei com Sua Majestade, a Rainha, para solicitar o fim da atual sessão parlamentar na segunda semana de setembro", informou o primeiro-ministro.

O novo primeiro-ministro deixou claro que quer que o Reino Unido deixe a União Europeia em 31 de outubro "aconteça o que acontecer", embora tenha afirmado antes que prefere uma saída com acordo.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала