Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Chanceler brasileiro diz que queda de Maduro na Venezuela é 'questão de tempo'

© Foto / Valter Campanato/Agência BrasilO ministro do MRE, Ernesto Araújo, na cerimônia de diplomação do presidente eleito, Jair Bolsonaro, no TSE.
O ministro do MRE, Ernesto Araújo, na cerimônia de diplomação do presidente eleito, Jair Bolsonaro, no TSE. - Sputnik Brasil
Nos siga no
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, não poderá reverter a transição democrática que está ocorrendo em seu país, mas os militares também precisarão apoiar essa mudança, declarou o ministro de Relações Exteriores do Brasil nesta sexta-feira.

O líder da oposição, Juan Guaidó, pediu aos militares que mudem de lado no mês passado, mas apenas um punhado de soldados atendeu a sua convocação no dia 30 de abril. O governo de Maduro lançou uma ofensiva contra legisladores da oposição supostamente ligados à tentativa.

"O processo que está em vigor desde janeiro […] é irreversível com todo o apoio internacional para uma transição democrática. Não há como o regime de Maduro permanecer no poder indefinidamente", afirmou Ernesto Araújo à Agência Reuters em Paris.

Chanceler brasileiro Ernesto Araújo ao lado do ministro de Relações Exteriores da Polônia, Jacek Czaputowitcz, em Varsóvia - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
'Bolsonaro quer desligar a máquina e jogar a chave fora', diz ministro Ernesto Araújo

O governo de direita do presidente Jair Bolsonaro juntou-se a mais de 50 outras nações ao reconhecer Guaidó como o líder legítimo da Venezuela.

"A questão hoje são os arranjos necessários para os militares venezuelanos aderirem ao governo legítimo. Achamos que é necessário que os militares venham a aderir, mas a forma que tomará depende dos venezuelanos", disse Araújo, falando em inglês.

Apesar das sanções dos EUA, os altos escalões militares da Venezuela ignoraram amplamente as súplicas da oposição e Washington para se voltar contra Maduro. Um pouco mais de 1.000 soldados desertaram, principalmente para a Colômbia e o Brasil.

Araújo, que estava em Paris para uma reunião da OCDE no momento em que Brasília se aproxima da organização, avaliou não acreditar que a intervenção estrangeira na Venezuela fosse necessária e que os esforços econômicos e diplomáticos estavam isolando Maduro.

"As forças dentro da Venezuela estão ganhando força contra o regime de Maduro e a crescente percepção é de que é apenas uma questão de tempo", acrescentou.

Juntamente com a Colômbia, o Brasil apoiou uma iniciativa da oposição para entregar ajuda humanitária dos EUA ao seu vizinho em fevereiro, mas Maduro fechou a única fronteira formal.

Um caixa conta notas de bolívar venezuelano em um mercado de rua no centro de Caracas, Venezuela (arquivo) - Sputnik Brasil
Venezuela cria zona econômico-militar, dizendo que Forças Armadas são o 'motor' da economia

Por causa do fechamento da fronteira, centenas de venezuelanos diariamente estavam subornando funcionários da Guarda Nacional enquanto tentavam entrar no Brasil ao longo de trilhas indígenas que cruzam a savana queimada pelo sol. A fronteira foi reaberta desde então.

O colapso econômico da Venezuela deixou cerca de um quarto de seus 30 milhões de pessoas necessitadas de assistência humanitária, informou a ONU.

A tentativa de entregar ajuda "fracassou porque a ajuda não foi aprovada, mas politicamente mostrou que é um regime que vai ter fim em nada", completou Araújo.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала