Reino Unido acusa Rússia de perpetrar 'campanha cibernética maliciosa'

© AP Photo / Francisco SecoO secretário de Relações Exteriores britânico, Jeremy Hunt, fala à imprensa ao chegar a uma reunião dos ministros das Relações Exteriores da UE na sede do Conselho Europeu em Bruxelas (arquivo).
O secretário de Relações Exteriores britânico, Jeremy Hunt, fala à imprensa ao chegar a uma reunião dos ministros das Relações Exteriores da UE na sede do Conselho Europeu em Bruxelas (arquivo). - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, Jeremy Hunt, deve acusar a Rússia em discurso de perpetrar ataques à infraestrutura crítica de outros Estados como parte de uma coordenada "campanha cibernética global mal-intencionada", informou o Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido.

"Julgamos que os serviços de inteligência da Rússia estão mirando a infraestrutura nacional crítica de muitos países para buscar vulnerabilidades. Essa campanha global também procura comprometer as redes do governo central. Posso divulgar que nos últimos 18 meses, o Centro Nacional de Segurança Cibernética compartilhou informações e avaliações com 16 Aliados da OTAN — e ainda mais nações fora da Aliança — de atividade cibernética russa em seus países", diz o trecho do discurso que Hunt deve falar na Conferência de Defesa Cibernética da OTAN em Londres nesta quinta-feira.

Hackers - Sputnik Brasil
Rússia é acusada de relançar ataques de hackers depois da vitória de Trump
Os trechos do discurso foram revelados pelo Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido. Ele também falará sobre o compartilhamento de conhecimentos técnicos com outros Estados na tentativa de combater a "ameaça da Rússia". O secretário mencionará os supostos esforços russos para se intrometer nas eleições ucranianas e americanas como ameaças à democracia.

"Eventos recentes demonstram que nossos adversários consideram as eleições democráticas uma vulnerabilidade fundamental de uma sociedade aberta […] Precisamos ter clareza de que qualquer operação cibernética destinada a manipular o sistema eleitoral de outro país e alterar o resultado violaria o direito internacional justificaria proporcionalidade. Juntos, possuímos opções para responder a quaisquer ataques sob a jurisdição do Artigo V [princípio pelo qual um ataque a um país da Aliança equivale a um ataque a todos, gerando resposta conjunta]. Devemos estar preparados para usá-los", escreve Hunt.

Além disso, o secretário de Relações Exteriores pedirá aos aliados que considerem formas de usar efetivamente ferramentas diplomáticas e políticas para combater as ciberatividades maliciosas.

A candidata ao cargo presidencial dos EUA Hillary Clinton em Nova York - Sputnik Brasil
Campanha de Hillary desconfia da Rússia em ataque hacker aos e-mails do Comitê Democrata

A Rússia nega ter se envolvido em quaisquer atividades cibernéticas contra outros Estados, incluindo a intromissão em processos eleitorais. Anteriormente, o chanceler da Rússia, Sergei Lavrov, sugeriu que o Reino Unido usava a interferência russa para justificar problemas internos, à exemplo das acusações do Partido Democrata nos EUA após a derrota eleitoral em 2016.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала