Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Especialista político: futuro da Venezuela está nas mãos dos militares

Nos siga no
O líder da oposição Juan Guaidó afirmou ter realizado "reuniões confidenciais" com o Exército venezuelano em busca de apoio. Segundo assegura o especialista russo, devemos encarar tais declarações com muito cuidado, acrescentado que a situação atual depende principalmente das Forças Armadas.

Ontem, Juan Guaidó escreveu em um artigo publicado no jornal The New York Times que "teve reuniões clandestinas com membros das Forças Armadas e das forças de segurança", destacando que "a retirada do apoio militar a Maduro é crucial para permitir uma mudança no governo […]"

Bandeiras da Venezuela e dos EUA - Sputnik Brasil
EUA não devem intervir militarmente na Venezuela, diz ex-comandante da OTAN
Nessa conexão, o especialista russo da Escola Superior de Economia, Andrei Suzdaltsev, expressou a opinião, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, de que atualmente a situação na Venezuela depende principalmente das Forças Armadas.

"Para mim, é difícil acreditar que a oposição se encontre com os serviços de inteligência de [Nicolás] Maduro. Tais contatos não podem ocorrer e o mesmo acontece com o exército. Devemos encarar tais declarações com muito cuidado", destacou.

"Vejam: quais foram os resultados dessa reunião? Se encontraram e pronto? Se tivesse havido reuniões, teria havido resultados. Claro que neste caso teriam informado. Por isso, tais declarações são apenas pressão sobre o governo", indicou.

"Enquanto o bloco militar e das forças de segurança apoiar Maduro, ele permanecerá inabalável, mas não se sabe quanto tempo isso pode continuar. Então, agora o futuro do regime está nas mãos dos militares", concluiu.

Militantes da oposição durante manifestação contra o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, em Caracas, Venezuela - Sputnik Brasil
México e Uruguai vão realizar conferência para discutir situação da Venezuela
A crise política venezuelana se agravou no dia 23 de janeiro, depois que o chefe da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, se autodeclarou presidente interino do país durante um ato realizado nas ruas de Caracas.

A Rússia, China, Irã e Turquia reafirmaram seu apoio ao atual governo venezuelano de Maduro, enquanto vários países latino-americanos, alinhados com os EUA e UE, ignoraram o atual presidente eleito, expressando seu apoio a Guaidó. O México e o Uruguai, no entanto, oferecem assistência para mediar uma solução política para a crise.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала