Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Balanço: Intervenção federal no Rio fez aumentar tiroteios e é pouco transparente

© Tomaz Silva / Fotos PúblicasMilitares patrulham a praia de Copacabana em operação das Forças Armadas no Rio de Janeiro
Militares patrulham a praia de Copacabana em operação das Forças Armadas no Rio de Janeiro - Sputnik Brasil
Nos siga no
O Observatório da Intervenção, que fiscaliza a intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro, divulgou hoje um balanço da ação em quatro meses de decreto citando aumento de tiroteios e ineficiência em ações de inteligência.

“A intervenção federal parece se resumir a incursões em comunidades, cada vez maiores e caras (…) Precisamos de inteligência, medidas estruturantes, de integração das forças, de combate à corrupção e diálogo com a sociedade. A intervenção prometeu tudo isso. Mas está entregando operações, tiroteios e mais mortos em confrontos, inclusive policiais”, disse em nota a coordenadora do Observatório da Intervenção e do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania, Sílvia Ramos, citada pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Retirada do Corpo de Fuzileiros Navais do Complexo de Favelas da Maré, na zona norte do Rio, em 30 de junho de 2015 - Sputnik Brasil
Intervenção federal deixará legado para a segurança pública no Rio?
Desde 16 de fevereiro o Rio de Janeiro contabilizou 3.210 tiroteios, um aumento de 36% em relação aos quatro meses anteriores (2.355). As informações são consideradas com base no aplicativo Fogo Cruzado criado pela Anistia Internacional e gerido pelo Instituto Update..

O Observatório também destaca a falta de transparência sobre a ação coordenada de militares e policiais, sobretudo em favelas da cidade: de 77 pedidos de esclarecimentos baseados na Lei de Acesso à Informação, 37 foram indeferidos e os outros 40 ainda aguardam resposta.

O grupo também lembrou a ineficiência da intervenção em encontrar os assassinos e mandantes do homicídio cometido contra a vereadora do PSOL, Marielle Franco, morta em março.

O período analisado pelo Observatório coincide com uma declaração do ministro extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann em março. À época, o ministro fixou em quatro meses o prazo médio para que a população visse resultados da medida determinada pelo presidente Michel Temer.

"Em conversas com o interventor Braga Netto, ele me dizia que, num espaço de até quatro meses, ele calcula, serão sentidas as mudanças pela população. Isso não quer dizer que terá passe de mágica", afirmou Jungmann na ocasião.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала