Ataque à Síria contraria interesses da França e a lei internacional, diz eurodeputado

© AFP 2022 / PIERRE ANDRIEULíder do partido francês Frente Nacional (FN) quando era candidato ao Parlalento Europeu, em 18 de maio de 2014.
Líder do partido francês Frente Nacional (FN) quando era candidato ao Parlalento Europeu, em 18 de maio de 2014. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Um possível ataque contra a Síria com a participação da França não apenas seria uma violação da lei internacional, mas também iria contra os interesses da França, afirmou Aymeric Chauprade à Sputnik nesta sexta-feira (13).

A tensão na Síria aumentou significativamente na semana passada por causa de um suposto ataque químico realizado na cidade de Douma, localizada no subúrbio de Damasco, em Ghouta, no leste do país. Os relatos de que o ataque havia ocorrido surgiram no sábado (7).

As nações ocidentais, em particular a França, os Estados Unidos e o Reino Unido, culparam as forças do presidente sírio Bashar Assad pelo ataque e consideram uma resposta militar ao incidente.

Prédio destruído em Douma, Ghouta Oriental, Síria - Sputnik Brasil
Síria irá se defender em caso de agressão dos EUA
"Na minha opinião, um ataque contra a Síria realizado pela França seria contrário aos seus interesses e à lei internacional […]. Espero que a França não acrescente outro erro grave aos que já foram cometidos. É hora de mudar a política e se aproximar de Moscou a fim de ajudar a estabilizar e reconstruir a Síria", disse Chauprade.

Ele observou que as forças do governo sírio haviam conseguido reconquistar território significativo após um longo período de combate, de modo que não havia sentido para Damasco usar armas químicas contra sua própria população.

"Essas armas foram usadas por aqueles que estavam interessados em mudar o curso dos acontecimentos através do envolvimento das forças ocidentais e no descrédito da Rússia", destacou Chauprade.

Ele também enfatizou que a Rússia desempenhou um papel construtivo no Oriente Médio nos últimos anos, concentrando seus esforços na luta contra o Daesh e outros grupos extremistas.

Lançamento de míssel Tomahawk (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Analista: Trump gosta de blefar e Washington não está em posição de atacar Síria
Na quarta-feira (11), o presidente dos EUA, Donald Trump, disse que os mísseis norte-americanos estavam prontos para atacar a Síria, o que agravou ainda mais as tensões. Na quinta-feira (12), Trump disse que o ataque à Síria poderia acontecer "em breve ou não tão cedo".

Damasco, por sua vez, negou as acusações de ter atacado civis com o uso de armas químicas em Douma. A Rússia, que tem apoiado as forças de Assad, também refutou as acusações feitas contra o governo sírio, apontando para a falta de provas. Moscou também pediu uma investigação completa sobre o suposto ataque antes que conclusões sejam tiradas.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала