Ex-militar: 'sem defesa', Londres pode ser bombardeada pela Coreia do Norte em 18 meses

© REUTERS / KCNALançamento do míssil Hwasong-12, 15 de setembro, 2017
Lançamento do míssil Hwasong-12, 15 de setembro, 2017 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Um chefe militar aposentado emitiu uma advertência sombria: o Exército "quebrado" da Grã-Bretanha está 20 anos ultrapassado, seus militares estão atrasados em relação a outras nações comparativas, e a ameaça de um país desonesto como a Coreia do Norte aparece - e mesmo assim o governo britânico continua a reduzir o orçamento de defesa.

O general Sir Richard Barrons, ex-comandante do Comando das Forças Conjuntas, pediu para o governo agir, ao mesmo tempo em que apresentou evidências ao Comitê de Defesa dos Comuns (CDC) na terça-feira, em Londres, como parte de uma revisão do governo das capacidades de segurança nacional.

"As três Forças Armadas estão atrasadas em relação à taxa de inovação que você vê nos nossos pares", disse ele ao comitê. "As pessoas que estão na Defesa, eles têm que continuar todos os dias para que nunca digam publicamente, nem a eles mesmos, nem aos inimigos, nem aos seus aliados, que estamos quebrados".

Kim Jong-un visita uma fábrica de tratores na Coreia do Norte - Sputnik Brasil
Coreia do Norte: Kim deixa reclusão para mostrar ao mundo o seu 'cavalo de aço'

Segundo Barrons, "quando eles voam, navegam ou se desdobram na terra e eles olham seus equipamentos, eles olham a sustentabilidade deles, eles olham as falhas em seu treinamento e eles olham para seus aliados, eles sabem que não são adequados para o propósito".

Durante a sessão de evidências, Barrons advertiu que existem várias "ameaças existenciais para o nosso país", dizendo que a Grã-Bretanha precisava estar preparada para elas.

"Agora vivemos em uma época em que pessoas que não estão do nosso lado têm capacidade que eles poderiam — não dizer que eles, eles poderiam — infligir [um ataque] à pátria do Reino Unido em curto prazo, com o qual não podemos lidar.

O general ressaltou que essa ameaças "vêm na forma de Daesh que, se pudessem, encontrariam armas de destruição em massa e as aplicariam ao Reino Unido. Felizmente, até agora, isso foi visto de forma abrangente".

Em seguida, ele alertou para o risco representado por Moscou e por Pyongyang, ambas nações que seriam hostis ao Reino Unido e que poderiam usar suas armas contra o país.

"Estamos presos em um confronto diário com a Rússia, estamos olhando para a Coreia do Norte que, nos próximos 12 a 18 meses, vai unir um míssil nuclear em um míssil balístico intercontinental (ICBM, na sigla em inglês) que pode chegar a Londres – e não podemos lidar com isso".

Hora de reagir

Com o Orçamento de Outono que se aproxima rapidamente, Barrons também aproveitou a chance para criticar o desejo do governo de reduzir os gastos de defesa, afirmando que os três ramos dos serviços armados já estão esticados até o limite.

"A primeira discussão deve ser no governo: 'Quanto corremos o risco de correr no mundo e o que precisamos fazer para corrigi-lo?' Eles não parecem querer ter essa discussão", disse ele.

O navio de guerra britânico HMS Westminster ancorado em Gibraltar, 19 de agosto de 2013 - Sputnik Brasil
General dos EUA: se Reino Unido seguir com cortes militares, ficará indefeso

"Então, você acaba com o risco de uma discussão ridícula, sem valor, tanto dentro de um serviço, o absurdo de descartar os Marines para comprar mais marinheiros e entre os serviços — e é por isso que você acaba geralmente com uma Marinha atualmente estruturalmente subfinanciada, uma Força Aérea que está segurando um monte de equipamentos muito bons, mas realmente à beira de sua capacidade de engenharia e suporte, e um Exército que está agora, em termos gerais, 20 anos atrasado".

O ex-primeiro almirante do mar, Sir George Zambellas, fez eco das preocupações de Barrons ao CDC, dizendo ao comitê que existe uma "falta de recursos institucionais de defesa".

O aviso vem apenas quinze dias depois que o ex-chefe principal Gavin Williamson assumir as rédeas como secretário de Defesa. Williamson recentemente insinuou, em uma entrevista ao jornal The Sun, que ele poderia reverter os rumores dos cortes para os fuzileiros e prometeu uma revisão dos gastos militares.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала