Rússia poderá ter que salvar novamente a Europa de si mesma

© Sputnik / Aleksey Nikolskyi / Abrir o banco de imagensVladimir Putin
Vladimir Putin - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Hoje em dia, quando os islamistas radicais continuam fomentando uma verdadeira guerra contra a Humanidade, será que o Ocidente tem alguma alternativa além da aliança com a Rússia? Esta pergunta é colocada por G. Murphy Donovan, ex-colaborador da inteligência americana.

Matreshka - Sputnik Brasil
Alemanha não considera mais a Rússia como país parceiro
Devido ao aumento dos ataques do islamismo proveniente do Oriente Médio, a Rússia do presidente Vladimir Putin é a chave para fazer frente às ameaças atuais, escreve Donovan no seu artigo para o jornal conservador American Thinker.

Putin é "único em sua classe", escreve Donovan. O líder russo conseguiu deixar para trás o comunismo e construir uma forma de democracia no seu país. Além disso, restaurou o Cristianismo e os institutos ortodoxos na Rússia.

Durante a sua presidência, o Exército russo foi restaurado e modernizado e o país passou a defender os seus interesses no Cáucaso, na Geórgia, Ucrânia e agora na Síria, escreve o ex-colaborador. A rejeição russa da expansão da OTAN e a onda de golpes de Estado, fruto da ingerência externa, conhecidos como revoluções coloridas, também é completamente compreensível.

Logo da próxima cúpula da OTAN em Varsóvia em junho de 2016 - Sputnik Brasil
Stoltenberg: Rússia não representa ameaça para membros da OTAN
O que não é compreensível, em nenhum caso, é a tentativa dos políticos europeus de procurar um conflito com a Rússia, no meio de uma ameaça de grande escala como é o islamismo radical, afirma o autor.

Enquanto a OTAN fez vista grossa ao comércio ilegal de petróleo entre a Turquia e o Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia), foi a Rússia que mostrou as ações de Ancara e começou a bombardear os caminhões de jihadistas que levavam o petróleo barato da Síria ao país otomano.

Mapa da Europa - Sputnik Brasil
Putin explicou a origem dos atuais problemas da Europa
Além disso, os países muçulmanos fornecem combatentes há meio século para a jihad internacional, combatentes que "escolhem como alvo e matam impunemente os americanos e europeus", além de financiar os grupos radicais para seguir em frente com sua própria agenda. Mas nenhum desses países foi submetido às sanções do Ocidente, enquanto a Rússia está suportando uma pressão econômica e militar, denuncia o autor.

"Os políticos europeus e norte-americanos não parecem entender quem é o seu inimigo número um", de acordo com Donovan.

Por sua vez, Putin tem uma visão clara sobre as ameaças provenientes do "fascismo religioso".

Bandeiras de Rússia, União Europeia e França - Sputnik Brasil
Rússia não quer que União Europeia colapse
Na luta contra a ameaça global do terrorismo islâmico, surgem oportunidades de criar novas alianças. Neste sentido, a Rússia de Putin é o aliado mais evidente do Ocidente, já que Moscou, Washington e Pequim poderiam formar uma coalizão internacional semelhante à da Segunda Guerra Mundial — a União Soviética, Reino Unido e EUA- que conseguiram derrotar o nazismo, destaca o autor.

"Veremos se a Rússia terá que salvar a Europa de si mesma outra vez no século XXI", conclui o especialista.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала