Déjà vu: EUA planejam (mais uma) megaofensiva no Iraque

© AFP 2022 / FILIPPO MONTEFORTETio Sam
Tio Sam - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Pentágono afirma ter encontrado uma maneira de retomar a iniciativa no Oriente Médio: o plano agora é forçar o Estado Islâmico a lutar em várias frentes por meio de um aumento maciço dos ataques aéreos liderados pelos EUA e implantar de mais armas antitanque no Iraque.

"Os EUA estão reiniciando sua estratégia na guerra contra o Estado Islâmico depois de meses de impasse e da intervenção da Rússia no conflito sírio", diz um artigo no jornal The Times de Londres.

Curdos sírios em Kobane - Sputnik Brasil
Curdos sírios destacam eficácia da operação aérea russa na Síria
"O plano do Pentágono, dirigido pelo General Joseph Dunford, principal comandante militar dos EUA, forçaria o Estado Islâmico a lutar em várias frentes. Ele pede ofensivas coordenadas envolvendo forças curdas iraquianas e sírias, o Exército iraquiano e as milícias xiitas apoiadas pelo Irã – que os EUA se recusam a endossar. Ash Carter, o secretário de Defesa dos EUA, e altos funcionários deverão delinear a estratégia para o Congresso na próxima semana", informa a publicação.

"Em meio a relatos de que o Kremlin tenha solicitado a permissão de Bagdá para iniciar ataques aéreos no Iraque, o General Dunford está tramando um aumento maciço nos ataques aéreos liderados pelos EUA e a implantação substancial de mais armas antitanques para retomar a iniciativa".

Nesta foto tirada em 10 de outubro, 2015, o exército sírio combate na província de Latakia (Síria) - Sputnik Brasil
Kremlin: Exército sírio e forças curdas devem realizar operação terrestre na Síria
O General Dunford, diz o jornal, já voou para a cidade curda de Arbil para formalizar a nova ofensiva.

Provavelmente, uma das garantias a serem exigidas para o sucesso da nova iniciativa é a garantia do Iraque de que o país não pedirá ataques aéreos russos contra o Estado Islâmico em seu território.

Nesta quinta-feira (22), porém, o secretário do comitê de defesa do Parlamento iraquiano disse à Sputnik que Bagdá não ofereceu quaisquer promessas a Washington de que não recorreria à ajuda de Moscou para conduzir ataques aéreos contra o Estado Islâmico.

Desde o dia 30 de setembro, a aviação de guerra da Rússia vem atacando posições do grupo terrorista na Síria, a pedido do presidente sírio Bashar Assad.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала