Operação militar no Iêmen pode causar conflitos entre Estados Árabes e Irã

Nos siga noTelegram
O secretário do Conselho de Segurança russo Nikolai Patrushev declarou que a operação militar no Iêmen pode resultar num sério conflito entre os países árabes e o Irã.

Aiatolá Ali Khamenei - Sputnik Brasil
Aiatolá Khamenei ataca intervenção estrangeira no Iêmen
A operação militar no Iêmen pode resultar num sério conflito entre os países árabes e o Irã, disse na segunda-feira, 13 de abril, o secretário do Conselho de Segurança da Rússia, Nikolai Patrushev em entrevista ao jornal russo Izvestiya:

“Cada dia que passa mais Estados são atraídos para o conflito: Bahrein, Qatar, Kuwait, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, Egito, Jordânia, Marrocos, Paquistão, Sudão. A situação poderá se transformar em um  confronto generalizado entre sunitas e xiitas, e mais tarde — em um conflito ainda mais grave entre os países árabes e o Irã. A campanha militar em curso confirmou a crise emergente das organizações internacionais. A intervenção militar começou sem a autorização do Conselho de Segurança da ONU, mas com o consentimento dos Estados Unidos.”

Hassan Rouhani, presidente do Irã - Sputnik Brasil
Presidente do Irã diz que ataques aéreos no Iêmen são erro
O Iêmen tem uma posição geográfica importante, por ter  acesso ao mar Vermelho e ao golfo de Aden, controlando  praticamente o estreito de Bab el-Mandeb, que liga o mar Vermelho ao oceano Índico. Anualmente, mais de 20.000 navios passam por este estreito. É uma das mais movimentadas rotas em todo o mundo, enfatizou Patrushev.

“O desejo de mudar o equilíbrio de poder existente na região a favor de alguém pode levar a uma longa guerra”, declarou Patrushev.

A observação vem em meio à operação militar da Arábia Saudita no Iêmen contra os rebeldes xiitas houthis.

Patrushev também destacou que a escalada do conflito armado no Iêmen pode influenciar as negociações sobre o programa nuclear iraniano.

O político russo também enfatizou que a Rússia não tem intenção de mudar a sua posição na questão do programa nuclear devido aos acontecimentos no Iêmen.

Cidadãos do Iêmen no local de um ataque aéreo em Sanaa - Sputnik Brasil
EUA aceleram envio de armas para coalizão saudita no Iêmen
No final de janeiro deste ano, o Ansar Allah, o grupo mais conhecido dos houthis, forçou o presidente iemenita e o governo a renunciarem. Posteriormente, os rebeldes xiitas tomaram o controle da capital Sanaa e de várias províncias do norte do país.

No final de março, a Arábia Saudita lançou uma operação militar no país vizinho e, desde então, tem bombardeado várias posições dos houthis, deixando muitas vítimas entre a população civil, com o apoio de uma coligação internacional à qual se uniram outros países árabes, como Bahrein, Catar, Kuwait, Emirados Árabes Unidos, Egito, Jordânia, Marrocos, Paquistão e Sudão.

Atualmente, os rebeldes estão lutando contra as forças leais ao presidente Abd Rabbuh Mansur Hadi (que fugiu para a Arábia Saudita) pelo controle da segunda maior cidade do Iêmen, Aden. A coalizão, por sua vez, está considerando a possibilidade de lançar uma operação terrestre no país.

O especialista Emad Abshenass, redator-chefe do jornal iraniano Iran Press, comentou a situação à emissora Sputnik:

“Não se pode de maneira nenhuma falar de qualquer envolvimento do Irã no conflito no Iêmen. Sim, o Irã mostra apoio político às forças que considera necessárias ao abrigo da sua estratégia de política externa.

A opinião do fugitivo presidente iemenita é ditada pela pressão exercida sobre ele por Riad, na verdade ele agora é praticamente o “porta-voz” saudita. Ele não se preocupa com os problemas internos do país, embora ainda se considere  presidente legítimo, entre outras coisas.”

O especialista comentou assim as ações do presidente Abd Rabbuh Mansur Hadi (que fugiu para a Arábia Saudita):

“É Hadi que levou o país ao estado de revolução por não ter resolvido nenhuma das muitas questões sociais dos últimos anos. Não é nada de estranho, portanto, que ele tenha perdido todo o apoio do público que tinha no seu país. E agora vemos o caos reinante no país, e até mesmo sinais evidentes de interferência externa aberta: a Arábia Saudita utiliza habilmente a janela de oportunidade para uma intervenção militar. Riad ao longo do século passado recorreu a esse truque já por 10-12 vezes, pelo menos.”

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала