17:49 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, na 11ª cúpula do BRICS

    Aliança Pelo Brasil: qual é o rumo de Bolsonaro e seu novo partido

    © Sputnik / Ramil Sitdikov
    #SputnikExplica
    URL curta
    8138
    Nos siga no

    O presidente Jair Bolsonaro quer fundar o 34° partido político do Brasil e enfrenta um ruidoso divórcio com o PSL. A Sputnik explica os últimos acontecimentos de Brasília e os seus desdobramentos.

    Desde o início de sua carreira política como vereador no Rio de Janeiro em 1989, Bolsonaro já integrou o PDC, PPR, PPB, PTB, PFL, PP e o PSC. Para disputar as eleições presidenciais, filiou-se ao PSL, junto com seus filhos Eduardo e Flávio.

    A relação, contudo, desgastou. Bolsonaro foi gravado afirmando que o presidente do PSL, Luciano Bivar, estaria "queimado", seu filho Eduardo envolveu-se em uma batalha pela presidência do PSL na Câmara e a agremiação foi atingida por um escândalo de candidaturas laranja que envolve o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio.

    Aliança Pelo Brasil

    O lançamento do novo partido de Bolsonaro foi realizado no hotel Royal Tulip, em Brasília, no dia 21 de novembro. Para estar formalmente apto a disputar uma eleição, todavia, ainda resta uma longa caminhada. É preciso antes cumprir obrigações estabelecidas pela legislação eleitoral e coletar centenas de milhares de assinaturas pelo Brasil. 

    O entorno presidencial aposta na coleta de digitais por meio de celulares para agilizar a regulamentação do partido, mas o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ainda decidirá sobre a legalidade desse método.

    O estatuto provisório da Aliança já permite visualizar os fundamentos do novo partido presidencial. O texto traz uma série de itens que "exige" dos filiados: "defesa da vida desde a concepção", "garantia do acesso às armas", "defesa da família como núcleo essencial da sociedade", "combate a qualquer ideologia que busque a erotização das crianças", "combate de tentativas de legalização das drogas ilícitas", "combate ao comunismo, ao nazifacismo, ao globalismo", entre outros itens.

    "O público-alvo desse partido que reivindica o autoritarismo e a intolerância é de extrema-direita, que está crescendo não só no Brasil como em todo o mundo. Isso se explica em grande medida porque as taxas de lucro do empresariado estão caindo", afirma à Sputnik Brasil a cientista política e professora da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) Clarisse Gurgel. "Esse novo partido de Bolsonaro é uma tentativa de repetição da Arena [partido de sustentação dos militares durante a ditadura]."

    As primeiras semanas da articulação pela criação da Arena também estão sendo marcadas por falas de Bolsonaro sobre mudanças nas regras das operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO). O presidente defende mudanças para garantir um "excludente de ilicitude" para as forças de segurança e diz que a medida pode servir para impedir protestos violentos. O excludente de ilicitude é uma promessa de campanha de Bolsonaro e recentemente foi barrado pelo grupo de trabalho da Câmara dos Deputados que analisa o pacote anticrime apresentado pelo ministro da Justiça, Sergio Moro. 

    Em nota técnica, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão do Ministério Público Federal (MPF) classifica a proposta presidencial como "flagrantemente inconstitucional e sem paralelo, até mesmo se comparado aos atos institucionais da ditadura militar".

    Gurgel acredita que o excludente de ilicitude é uma tentativa de "macular e eliminar a Constituição brasileira, ou seja, a forma do país se constituir, que sempre primou pela superação da desigualdade. O excludente de ilicitude torna o policial um sujeito liberada para matar".

    Dificuldades no Congresso

    A cientista política e professora da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Maria do Socorro Sousa Braga diz que dois elementos serão centrais para o novo partido do bolsonarismo: a economia, que ainda sofre com o baixo crescimento e o alto desemprego, e a capacidade de atrair políticos para a Aliança.

    "Apesar dos possíveis problemas que eles venham a ter do ponto de vista inclusive de representação, eles provavelmente vão levar deputados, senadores, e outros políticos de outras esferas, podem levar prefeitos, vereadores. A gente ainda não sabe qual vai ser essa capacidade, mas pensando que ele está no principal cargo de nossa República, que é a presidência, com todos os recursos que tem justamente por estar nesse cargo, isso atrai muitos partidos", afirma Braga à Sputnik Brasil.

    O destino do milionário fundo partidário do PSL, que os deputados que seguiram Bolsonaro e são simpatizantes da Aliança querem levar para o futuro partido, também é chave para o futuro da iniciativa, diz a professora da UFSCar. A disputa pelos recursos provavelmente será judicializada. Outro ponto da esfera jurídica é que, legalmente, os cargos eleitos pelo sistema proporcional, como deputados federais, são formalmente dos partidos, de modo que um deputado que deixa uma legenda poderá perder seu mandato. 

    "Hoje, o Executivo e suas principais lideranças estão articuladas com parte do Judiciário. Se o Judiciário atender as demandas deles, eles vão conseguir muitos trunfos até ano que vem", diz Braga. 

    Mais:

    Bolsonaro diz que manifestações no Chile 'são atos terroristas'
    Bolsonaro prepara lei de uso de GLO em reintegração de posse no campo
    Bolsonaro defende projeto para morador armado poder fazer 'tudo' contra invasor
    Bolsonaro diz que alta do dólar tem 'prós e contras'
    Conselho de Ética abre 2 processos por quebra de decoro contra Eduardo Bolsonaro
    Tags:
    Brasil, partido, democracia, PSL, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar