23:48 30 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    Mundo e COVID-19 no final de agosto (52)
    220
    Nos siga no

    A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou cautela quanto ao uso de plasma de pacientes com COVID-19 recuperados para tratar o vírus, alertando que todas as evidências existentes para sugerir que ele realmente funciona ainda são de "qualidade muito baixa".

    Falando em uma entrevista coletiva nesta segunda-feira (24), a cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan, acrescentou às dúvidas em torno do tratamento, que foi recentemente aprovado pelas autoridades de saúde dos EUA para combater o temido vírus.

    "Há uma série de ensaios clínicos em andamento em todo o mundo, analisando o plasma convalescente em comparação com o tratamento padrão", declarou Swaminathan.

    "Apenas alguns deles relataram resultados provisórios [...] e, no momento, ainda são evidências de qualidade muito baixa", acrescentou.

    No domingo (23), a Agência de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA) emitiu uma autorização de emergência para o uso de plasma convalescente para tratar a doença. A FDA o descreveu como um tratamento "promissor", afirmando que os benefícios de tal processo "superam os riscos" que ele pode representar.

    Presidente dos EUA, Donald Trump usa máscara protetora durante visita a uma fábrica em Clyde, no estado norte-americano de Ohio, 6 de agosto de 2020
    © REUTERS / Joshua Roberts
    Presidente dos EUA, Donald Trump usa máscara protetora durante visita a uma fábrica em Clyde, no estado norte-americano de Ohio, 6 de agosto de 2020

    O presidente estadunidense Donald Trump elogiou a decisão, apresentando um tom significativamente mais confiante sobre ela e assegurando ao público que o uso de plasma era perfeitamente "seguro".

    "O FDA fez a determinação independente de que o tratamento é seguro e muito eficaz", afirmou Trump.

    Os EUA continuam sendo a nação mais atingida pelo novo coronavírus, com mais de 5,7 milhões de casos e cerca de 176 mil mortes, de acordo com os últimos dados da Universidade Johns Hopkins. Globalmente, o vírus matou mais de 800 mil pessoas, enquanto quase 23,5 milhões contraíram a doença.

    Tema:
    Mundo e COVID-19 no final de agosto (52)

    Mais:

    OMS registra 21,3 milhões de casos e 762 mil mortes por COVID-19 no mundo
    Brasil pode ser usado pelos EUA em ação contra a China na OMS
    Portugal prepara volta às aulas presenciais em meio a alerta da OMS sobre risco entre os mais jovens
    Tags:
    Universidade Johns Hopkins, cura, plasma, OMS, pandemia, novo coronavírus, COVID-19, Food and Drugs Administration (FDA), Donald Trump, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar