14:11 23 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Primeira boneca inflável com inteligência artificial Samantha

    Problemas conjugais? Robôs sexuais podem ajudar a salvar matrimônio

    © REUTERS / Albert Gea
    Sociedade
    URL curta
    361

    Pode um robô sexual ajudar a salvar matrimônio em problemas? Especialista responde que sim e explica de que maneira.

    Para a professora Marina Adshade, da Escola de Economia de Vancouver da Universidade de Colúmbia Britânica (Canadá), estas máquinas com forma humana podem ser um suporte significativo para melhorar relações monogâmicas e satisfazer as exigências mútuas dos casais na sociedade moderna.

    Segundo informa o jornal The Vancouver Sun, Adshade publicou recentemente o livro "Sexo robótico: implicações sociais e éticas", em que presta atenção detalhada ao assunto.

    "Encontrar alguém que seja um bom pai ou mãe para seus filhos" e, ao mesmo tempo, "que satisfaça suas necessidades sexuais", é uma tarefa nada fácil, reconhece Adshade. Além disso, ela acredita que libertar seu parceiro de exigências eróticas "permite dar enfoque a outras partes" do relacionamento.

    Sendo assim, humanoides serão alternativas para manter família estável. Além do mais, as pessoas não terão que se preocupar com a química em casal.

    No entanto, a autora não crê que esses "amigos sexuais" cibernéticos possam satisfazer todos os desejos por completo, mas, sim, podem se tornar um complemento para relacionamentos amorosos.

    Na sociedade contemporânea, as pessoas "querem poder determinar o carácter de seu próprio matrimônio", conclui a autora, adicionando que "os robôs sexuais definitivamente contribuirão para o fenômeno".

    Mais:

    Esta é Solana, boneca sexual que pode mudar de rosto e personalidade (VÍDEO)
    Paraguai fecha loja que vendia ‘boneca transexual’
    Boneca sexual Samantha apenas atenderá devidamente aqueles que sejam bons com ela
    Tags:
    vida sexual, bonecas, matrimônio, casal, relações, robô
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik