22:56 11 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    9592
    Nos siga no

    A implantação norte-americana de defesa antimísseis na Europa e na região da Ásia-Pacífico é um projeto global dos EUA para conter Rússia e China e para garantir dominância norte-americana absoluta, declarou nesta quinta-feira (1º) o chanceler russo, Sergei Lavrov.

    "Agora, nós possuímos uma região antimíssil na Europa. Ninguém fala mais de ser algo contra o Irã. Trata-se do anúncio de projeto global destinado a conter Rússia e China. Processos idênticos estão acontecendo na região da Ásia-Pacífico. Ninguém está pretendendo fingir ser contra a Coreia do Norte. É um sistema global criado para fortalecer as reivindicações dos Estados Unidos para dominância absoluta, inclusive nas esferas estratégico-militar e nuclear", afirmou Lavrov ao canal de TV Pervy.

    Além disso, o chanceler russo anunciou que a Rússia e a China não precisam de uma aliança militar como a OTAN, pois as relações sino-russas são completamente diferentes.

    "É especulada com frequência a possibilidade de a Rússia e a China celebrarem uma aliança militar. Primeiramente, é acentuado, em um dos documentos de mais alto nível, que nossas relações não representam uma união militar, e nós não almejamos isso. Vemos como exemplo de uma aliança militar, em seu sentido clássico, a OTAN, mas não necessitamos de tal aliança", anunciou Lavrov.

    Segundo o chanceler russo, aliança como essa é coisa da época da Guerra Fria. "Eu pensaria agora por esferas contemporâneas, de formação de multipolaridade. Neste sentido, nossas relações com a China são completamente diferentes, ao contrário das relações de uma clássica aliança militar. Pode ser, elas [nossas relações] são ainda mais próximas de certa forma", notou o ministro das Relações Exteriores da Rússia.

    Anteriormente, o chanceler russo visitou a China, onde conduziu conversações com seu homólogo chinês Wang Yi, abordando, em particular, os preparos de visitas de mais alto nível. Além disso, foi prorrogado por mais cinco anos o Tratado de Boa Vizinhança, Amizade e Cooperação entre Rússia e China.

    Mais:

    Washington e aliados deverão enfrentar 'juntos' a Rússia e China, diz secretário de Estado dos EUA
    Biden encerra era inteira com Rússia e China: como seria nova competição?
    Contenção de Rússia e China: para que serve presença dos EUA no Afeganistão?
    Tags:
    relações diplomáticas, relações, Rússia, China, Sergei Lavrov
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar