11:54 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    1292
    Nos siga no

    Reunidos em videoconferência, chefes das principais potências emergentes do mundo adotaram Estratégia de Contraterrorismo. Em debate franco, Putin comenta infecção por COVID-19 de Bolsonaro e elogia coragem do líder brasileiro.

    Nesta terça-feira (17), os chefes de Estado dos países do BRICS, grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, adotou Estratégia de Contraterrorismo comum, em passo inédito para a agremiação.

    A apresentação do projeto, previamente acordado entre as partes, foi realizada pelo secretário do Conselho de Segurança da Rússia, Nikolai Patrushev, durante a XII Cúpula de Chefes de Estado do BRICS, realizada hoje (17) por videoconferência.

    O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, apoiou a estratégia formulada durante a presidência russa.

    "O Brasil valoriza a adoção da Estratégia de Contraterrorismo do BRICS, uma vez que queremos garantir um futuro livre dessa ameaça. Nós sabemos que o terrorismo está estreitamente ligado ao narcotráfico em várias regiões do mundo", disse Bolsonaro.

    O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, foi mais além, e propôs que a estratégia seja acompanhada de um Plano de Ação para acelerar sua implementação pelos países do BRICS.

    Líderes dos países do BRICS participam da XII Cúpula de Chefes de Estado do BRICS, celebrada via videoconferência, 17 de novembro de 2020
    © Sputnik / Aleksei Nikolsky
    Líderes dos países do BRICS participam da XII Cúpula de Chefes de Estado do BRICS, celebrada via videoconferência, 17 de novembro de 2020

    "A Estratégia de Contraterrorismo do BRICS é uma grande conquista", disse Modi. "Mas acho que precisamos de um Plano de Ação para sua implementação."

    Em 2021 a Índia deve assumir a presidência do bloco, o que aumenta as chances de que a estratégia de Modi seja implementada pelo grupo em um futuro próximo.

    Primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, durante debate na XII Cúpula de Chefes de Estado do BRICS, celebrada via videoconferência, 17 de novembro de 2020
    © Sputnik / Aleksei Nikolsky
    Primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, durante debate na XII Cúpula de Chefes de Estado do BRICS, celebrada via videoconferência, 17 de novembro de 2020

    O presidente da China, Xi Jinping, acredita que as estratégias de segurança devem estar atreladas à coordenação de posições dos países do BRICS em órgãos internacionais.

    "Precisamos fortalecer nossos laços em plataformas como as Nações Unidas (ONU) e coordenar nossas posições [na sede da ONU] em Nova York", disse o presidente chinês.

    De acordo com o secretário do Conselho de Segurança da Rússia, que coordenou a elaboração do documento, a "estratégia reflete aspectos fundamentais para os países do BRICS, como respeito à soberania e não ingerência em assuntos internos, adesão ao direito internacional e reconhecimento do papel central e coordenador da ONU em questões de segurança".

    "Eu queria agradecer a Patrushev por ter incluído o tema do contraterrorismo na agenda do bloco e elevado ele a um novo nível", disse o líder sul-africano, Cyril Ramaphosa.

    "A pandemia nos lembrou da importância de fortalecer nossa cooperação sobre segurança cibernética, já que presenciamos muitos ataques desse tipo em objetos de infraestrutura, inclusive em hospitais", lembrou o líder da África do Sul, que comemora seu aniversário hoje.

    Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, durante debate na XII Cúpula de Chefes de Estado do BRICS, celebrada via videoconferência, 17 de novembro de 2020
    © Sputnik / Aleksei Nikolsky
    Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, durante debate na XII Cúpula de Chefes de Estado do BRICS, celebrada via videoconferência, 17 de novembro de 2020

    O presidente Bolsonaro agradeceu a presidência da Rússia e disse estar "feliz por fazer parte da aliança".

    Putin disse que Bolsonaro foi um exemplo para os líderes do bloco, ao enfrentar a pandemia a nível pessoal "com hombridade".

    "Todos nós passamos por dificuldades de trabalho nesse ano, mas você ainda por cima teve que lidar pessoalmente com essa infecção, e passou por essa experiência de maneira muito corajosa", disse Putin.

    "Vimos como não foi fácil para o senhor. O senhor expressou as maiores qualidades de hombridade e força de vontade [...] enquanto teve que lidar com problemas da saúde pessoal", concluiu o líder russo.

    Presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante debate na XII Cúpula de Chefes de Estado do BRICS, celebrada via videoconferência, 17 de novembro de 2020
    © Sputnik / Aleksei Nikolsky
    Presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante debate na XII Cúpula de Chefes de Estado do BRICS, celebrada via videoconferência, 17 de novembro de 2020

    Nesta terça-feira (17), a XII Cúpula de Chefes de Estado do BRICS foi celebrada em formato de videoconferência. Presidida pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin, o encontro contou com a presença de seus homólogos brasileiro, Jair Bolsonaro, chinês, Xi Jinping, sul-africano, Cyril Ramaphosa, e do primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi.

    Ao final da reunião, os líderes adotaram Declaração Conjunta anual do bloco, além do Plano de Ação da Parceira Estratégica 2020-2025 e a Estratégia de Contraterrorismo do BRICS, dentre outros documentos.

    Mais:

    'Concordar sobre todos os assuntos é impossível': presidência russa do BRICS apresenta resultados
    Banco do BRICS poderá ter novos membros, diz presidente brasileiro da instituição
    BRICS adota resolução conjunta durante sua 12ª Cúpula
    Países membros do BRICS compartilham visões em comum nas reformas de FMI, OMC e OMS, diz Putin
    Tags:
    Jair Bolsonaro, Vladimir Putin, Rússia, África do Sul, China, Índia, Brasil, BRICS
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar