02:27 28 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    5860
    Nos siga no

    Os EUA estão aumentando o risco de um impasse nuclear entre as principais potências do mundo, em um esforço para recuperar a dominação global, ao se afastarem dos últimos pactos de controle de armas ainda existentes, alertou o diplomata-chefe da Rússia.

    "Eu concordo que os riscos nucleares aumentaram substancialmente no passado recente", declarou o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, em uma audiência no fórum de destaque de Primakov Readings nesta sexta-feira (10).

    As razões para isso são "óbvias", esclareceu o ministro. "Os EUA querem recuperar o domínio global e alcançar a vitória no que eles chamam de uma grande competição de energia", acrescentou.

    Lavrov afirmou que Washington recusa a noção de "estabilidade estratégica" e chama de "rivalidade estratégica". "Eles querem ganhar", completou.

    "Estamos particularmente preocupados com a recusa bienal dos EUA em reafirmar um princípio fundamental: a premissa de que não pode haver vencedores em uma guerra nuclear e, portanto, nunca deve ser desencadeada", sentenciou Lavrov.

    O ministro russo sugeriu que Washington quer desmontar todo o mecanismo de controle de armas. O governo do presidente estadunidense Donald Trump retirou-se no ano passado do Tratado das Forças Nucleares de Alcance Intermediário de 1987, que proíbe ambos os lados de estacionar mísseis terrestres de curto e médio alcance na Europa.

    Lançamento do míssil balístico intercontinental Sineva a partir do submarino nuclear russo Verkhoturye
    Lançamento do míssil balístico intercontinental Sineva a partir do submarino nuclear russo Verkhoturye

    Essa retirada também colocou em risco o novo tratado START, assinado com a Rússia em 2010. O acordo definiu que tanto os EUA e quanto a Rússia reduziriam suas ogivas para 1.550 cada um e seus lançadores para 800. Ele vai expirar em 2021, mas Lavrov avaliou nesta sexta-feira (10) que não estava otimista quanto a uma extensão.

    Segundo o ministro das Relações Exteriores russo, a decisão dos EUA de não renovar o Novo START já é uma realidade e o destino do pacto "está selado".

    Washington insiste em que a renovação das negociações seja trilateral, com a China participando das discussões. Pequim informou que "ficaria feliz" em participar das negociações - mas apenas se os EUA estivessem dispostos a reduzir seu arsenal nuclear ao nível da China, que é cerca de 20 vezes menor.

    Mais:

    Confusão dos EUA não deve trazer China para negociação sobre armas nucleares, diz analista
    Marinha russa deve receber novo submarino nuclear em dezembro de 2020
    Ilhas Marshall temem 'segurança' de depósito com toneladas de resíduos nucleares dos EUA
    Tags:
    segurança, Tratado START, Tratado INF, diplomacia, arma nuclear, risco nuclear, Donald Trump, Sergei Lavrov, China, Rússia, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar