23:52 18 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Pavilhão da Roscosmos no Show Aéreo de Paris 2019

    Roscosmos desenvolve método de tornar satélites 'invisíveis'

    © Sputnik / Sergei Mamontov
    Rússia
    URL curta
    7170
    Nos siga no

    A corporação Roscosmos registrou a patente de um método de camuflagem dos aparelhos espaciais que os tornam invisíveis aos equipamentos ópticos de vigilância.

    A emissão da patente da Corporação Estatal de Atividades Espaciais da Rússia Roscosmos foi registrada na base do Serviço Federal para Propriedade Intelectual.

    "A invenção está relacionada com métodos de dissimulação ou camuflagem e pode ser usada para reduzir a possibilidade de detecção do aparelho espacial no espectro visível", segundo informa a descrição da invenção.

    Os satélites seriam cobertos com uma película especial com bolhas de ar que dispersa a luz. Desta maneira, a luz se reflete das bolhas e se dispersa, diminuindo a visibilidade do objeto a partir da Terra em mais de dez vezes.

    Trata-se de aparelhos espaciais que estão em órbitas de 10-20 mil quilômetros de altura. Nesta altitude os meios de vigilância por radar se tornam menos eficazes e por isso se usam meios de vigilância ópticos, que podem obter imagens de objetos no espaço em altitudes de 150 a 36.000 quilômetros e permitem visualizar detritos espaciais de tamanhos maiores que 20 centímetros.

    Como disse à Sputnik o diretor do Instituto de Política Espacial Ivan Moiseev, a criação de camuflagem de satélites pode ser usada com objetivos militares.

    "O programa de proteção de satélites da influência externa e sua dissimulação esteve sendo desenvolvido nos anos 1990 nos EUA. Não se sabe como ele acabou", informou o diretor.

    Mais:

    Astrônomos detectam 8 novos sinais de rádio procedentes do espaço
    Rússia envia 4 novos satélites militares ao espaço
    Ondas gravitacionais no espaço podem indicar novo tipo de 'cataclismo' jamais visto
    Tags:
    Roscosmos, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar