03:02 20 Julho 2019
Ouvir Rádio
    A Ponte da Crimeia através do estreito de Kerch, que liga a península da Crimeia à região russa de Krasnodar. A parte rodoviária da ponte foi inaugurada em 15 de maio de 2018. O início do tráfego ferroviário através da ponte está planejado para dezembro de 2019

    Cresce na França o número de pessoas que consideram Crimeia como parte da Rússia

    © Sputnik / Site oficial da construção da Ponte da Crimeia
    Rússia
    URL curta
    Sputnik-Opinião (32)
    5141

    Na França o número das pessoas para quem a península da Crimeia faz parte da Rússia aumentou para 11%. Confira os dados da enquete mais recente da Sputnik realizada em abril.

    A enquete, que abrangeu 4.010 respondentes de quatro países, revelou que o número dos franceses que consideram a Crimeia como parte da Rússia cresceu 11%. Conforme a mesma pesquisa, 38% dos alemães, 34% dos britânicos, bem como 27% dos norte-americanos compartilham o mesmo ponto de vista.

    Cresce na França o número de pessoas que consideram Crimeia como parte da Rússia
    © Sputnik /
    Cresce na França o número de pessoas que consideram Crimeia como parte da Rússia

    Vale destacar que três anos atrás, em 2016, a situação era diferente: 45% dos franceses e 48% dos alemães não consideravam que a Crimeia era parte da Rússia.

    Na França, Reino Unido e EUA são mais as pessoas com educação superior que consideram a Crimeia como russa do que as pessoas com nível de formação médio ou baixo. Para especificar, os franceses com diploma de ensino superior (39%) costumam considerar com mais frequência que a península faz parte da Rússia do que aqueles que não têm essa formação (33%). O mesmo quadro é observado no Reino Unido: 45% de pessoas com educação superior contra 32% com educação média e baixa (31%); bem como nos EUA: 31% contra 24% e 25%.

    Em termos de geografia, os moradores de Londres e Paris são aqueles que mais frequentemente responderam positivamente à pergunta se a Crimeia era parte da Rússia.

    Quanto à idade, a geração mais velha na França, EUA e Reino Unido acredita que a península da Crimeia pertence à Rússia. Os franceses e britânicos maiores de 35 anos consideram mais que a Crimeia faz parte da Rússia (41% dos maiores de 35 anos na França contra 27% dos mais jovens; 35% e 30% no Reino Unido, respectivamente). Nos EUA, 28% dos maiores de 35 anos acreditam que Crimeia é parte da Rússia.

    Em termos de gênero, os homens são aqueles que mais frequente consideram que a Crimeia faz parte da Rússia: 41% dos homens contra 34% das mulheres na França, 38% contra 30% no Reino Unido e 31% contra 23% nos EUA.

    A pesquisa foi realizada para a Sputnik pela empresa IFop entre 9 e 15 de abril de 2019 (total de 4.010 respondentes maiores de 18 anos). Margem de erro máxima da amostra para os dados totais é de +/- 3,1% com um nível de confiança de 95%.

    Lembramos que a Crimeia se reunificou com a Rússia em 2014 depois de um referendo, no qual mais de 96% dos residentes votaram pela reunificação. As autoridades russas ressaltaram inúmeras vezes que a reunificação ocorreu de forma legal e de acordo com as leis internacionais.

    O que é a Sputnik-Opinião?

    É um projeto internacional de estudo da opinião pública que foi posto em prática a partir de janeiro de 2015. As conhecidas empresas Populus e IFop são parceiras do projeto. No quadro da Sputnik-Opinião (Sputnik.Polls) são realizadas regularmente pesquisas em vários países da Europa e dos EUA sobre temas sociais e políticos da atualidade.

    A Sputnik é uma agência de notícias e rádio com representações e redações multimídia em dezenas de países. A Sputnik possui sites (34 ao todo), emissões de rádio analógicas e digitais, aplicativos para celular e páginas nas redes sociais.

    Conheça outras enquetes da Sputnik-Opinião

    Tema:
    Sputnik-Opinião (32)

    Mais:

    Lavrov reitera que reintegração da Crimeia à Rússia é assunto 'fechado definitivamente'
    Trump culpa 'regime de Obama' por reintegração da Crimeia à Rússia
    Tags:
    Crimeia, França, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar