10:21 19 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Ministério da Defesa da Rússia informa que navios da Frota do Pacífico russa chegaram à China para participar nos exercícios navais Interação Naval 2016

    Sanções dos EUA impulsionaram o investimento chinês na Rússia, revela Pentágono

    © AP Photo / Zha Chunming/Xinhua
    Rússia
    URL curta
    5231

    A economia russa tem desfrutado de um aumento nos investimentos chineses, já que as sanções do Ocidente aproximaram Pequim de Moscou, segundo um relatório divulgado pelo Departamento de Defesa dos EUA.

    Apesar do documento de 136 páginas dedicado às Forças Armadas chinesas e as preocupações de Washington sobre a crescente influência de Pequim, incluindo sua força econômica, os militares dos EUA não esqueceram de mencionar a Rússia, com a qual a China se uniu para "mitigar as táticas de pressão dos EUA".

    Moscou e Pequim frequentemente fazem uma frente conjunta contra as propostas dos EUA no Conselho de Segurança das Nações Unidas (UNSC), já que ambas as nações "compartilham uma preferência por uma ordem mundial multipolar".

    "Na sequência das sanções do Ocidente contra a Rússia, a China aumentou o investimento na economia da Rússia", afirma o relatório do Pentágono.

    O documento também menciona a maciça iniciativa Nova Rota da China, dizendo que o país pode usar o megaprojeto para criar "vantagens militares". Ele também alega que a iniciativa pretende moldar interesses de outros países para "alinhar-se com a China", assim como o confronto ou crítica do silêncio contra ela.

    A cooperação russo-chinesa vem crescendo rapidamente nos últimos anos. No ano passado, o volume de negócios entre os dois países atingiu um recorde de US$ 108 bilhões, o que demonstra um crescimento de cerca de 25%, anunciou o presidente russo Vladimir Putin em abril.

    O documento também enfatizou que a cooperação sino-russa alcançou um "nível historicamente alto" e poderia servir de exemplo para os outros.

    Mais:

    Desarmamento nuclear de Rússia, EUA e China pode causar guerra real, diz parlamentar russo
    Análise: manobras navais conjuntas da Rússia e China enviam sinal para Ocidente
    Pentágono: Rússia e China podem ultrapassar EUA no espaço
    Tags:
    investimentos, relações bilaterais, nova rota da seda, Vladimir Putin, Pentágono, Rússia, China, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar