19:50 24 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Bandeiras da Rússia e dos EUA

    Rússia espera que EUA ajudem a consertar relações após relatório de Mueller

    © REUTERS / Maxim Shemetov
    Rússia
    URL curta
    0 70

    A embaixada russa nos Estados Unidos pediu que Washington coopere para reparar os danos infligidos a relações bilaterais nos últimos anos, na sequência da publicação do relatório do Conselho Especial dos EUA, Robert Mueller, que não encontrou provas de conluio entre a equipe de campanha de Donald Trump e a Rússia.

    A embaixada divulgou um relatório de 120 páginas, analisando as alegações dos EUA sobre a intromissão da Rússia na eleição presidencial de 2016, vencida por Trump. O relatório da embaixada mostrou que essas alegações eram infundadas.

    "Pedimos aos nossos parceiros americanos que finalmente rejeitem essas alegações [da intromissão da Rússia] e unam esforços para reparar os danos às relações bilaterais, em benefício de nossos povos e da segurança global", disse a embaixada no relatório.

    "Esperamos que o fim da saga de Mueller contribua para dissipar ainda mais a fumaça e os espelhos neste tópico. O primeiro passo — a rejeição da 'teoria do conluio' — foi dado. Mas se todas as alegações categóricas ouvissem todo esse tempo acabou por ser claramente falso, por que não fazer o próximo passo lógico e checar a narrativa 'intromissão russa'?", apontou a embaixada.

    Apesar da falta de provas sobre o conluio, democratas prometem buscar o impeachment de Trump, baseando-se em 10 possíveis momentos em que o presidente dos EUA teria obstruído a Justiça dos EUA.

    Mais:

    Mueller: 'Encontros entre equipe de Trump e Rússia são insuficientes para provar conluio'
    Trump ataca investigação de Mueller: 'Maior farsa política de todos os tempos'
    Assessor de Trump afirma que EUA continuam se apoiando na Doutrina Monroe
    Tags:
    diplomacia, relações bilaterais, interferência russa, conluio, Robert Mueller, Donald Trump, Estados Unidos, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar