03:46 20 Janeiro 2019
Ouvir Rádio
    Forças armadas da Rússia (imagem referencial)

    Lavrov: Rússia não está interessada na corrida armamentista e em novas 'crises de mísseis'

    © Sputnik / Vasiliy Batanov
    Rússia
    URL curta
    16263

    Segundo o chanceler russo, a Rússia está pronta para tentar salvar o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário.

    Ao mesmo tempo, ele observou que a Rússia não irá ignorar o surgimento de novos mísseis dos EUA em caso de sua saída do Tratado INF e poderá fortalecer seu potencial de defesa.

    "Temos que advertir: não podemos e não vamos ignorar o surgimento de novos mísseis norte-americanos que representem ameaça para nós e nossos aliados. Não deve haver nenhuma dúvida de que temos o necessário para garantir a própria segurança, além de sermos capazes de fortalecer nosso potencial de defesa", disse Lavrov à Sputnik.

    O abandono do Tratado pelos EUA poderá seriamente prejudicar a segurança internacional e a estabilidade estratégica, acrescentou.

    "No entanto, a Rússia, como qualquer país racional, não tem interesse na corrida armamentista e em novas 'crises de mísseis'", ressaltou o ministro das Relações Exteriores da Rússia.

    Segundo ele, se nos EUA ainda houver forças que preconizam usar a pausa avançada por Washington para encontrar meios para salvar o Tratado INF, "estaremos abertos a isso".

    "Apelamos a abandonar as tentativas de chantagem e a repetição de acusações infundadas, a favor de um trabalho conjunto, concreto e verdadeiramente construtivo, sobre as preocupações mútuas existentes. Propusemos oficialmente iniciar esse trabalho na recente carta de Sergei Shoigu ao chefe do Pentágono; propusemos repetidamente começar um diálogo profissional sobre o Tratado INF e nos contatos do Ministério das Relações Exteriores com o Departamento do Estado. Por enquanto, não há resposta", disse.

    Segundo ele, na cúpula de Helsinque, em 16 de julho, a Rússia fez propostas concretas em relação à estabilidade estratégica e controle de armas. 

    "Infelizmente, por parte dos EUA, não vemos vontade de negociar conosco. Eles fogem do diálogo, não oferecem nenhumas garantias […] Estamos prontos para trabalhar em vários formatos com a participação de todos os países que reconhecem a sua responsabilidade pela paz e segurança", frisou o ministro.

    A linha política dos EUA, que leva a uma corrida armamentista, pode provocar uma situação em que o custo de um erro será fatal, enfatizou o chanceler russo.

    "Temos que constatar que Washington e seus aliados, insistindo nas suas próprias ambições geopolíticas, não estão prontos para se adaptarem às realidades globais, que não estão mudando a seu favor. Daí surge o desejo de restringir esses processos de todas as maneiras e uma maior agressividade nos assuntos externos do que antes. Aumenta a confrontação, os canais de diálogo são congelados", disse o ministro, observando que os passos para destruir os grandes acordos internacionais da estabilidade estratégica são particularmente preocupantes.

    O chanceler russo destacou que essa linha de confronto baseada na força inevitavelmente levará a um maior desequilíbrio da arquitetura de segurança global e contribui para a corrida armamentista.

    Uma guerra entre a Rússia e os EUA poderia ser catastrófica para a humanidade, enfatizou Lavrov.

    "Acho que todos no mundo compreendem bem: um conflito armado com a participação das duas principais potências nucleares – a Rússia e os EUA – terá consequências catastróficas para a humanidade. Não há nenhuma dúvida de que não existirá vencedores em uma guerra nuclear e que ela nunca deve ser desencadeada", disse.

    Lavrov acrescentou que apesar de diferentes posições, a Rússia e os países ocidentais têm uma enorme parte da responsabilidade pelo futuro da humanidade e apelou aos líderes ocidentais para que ajam de forma previsível e cumpram estritamente o direito internacional.

    Comentando à Sputnik a questão das eleições presidenciais, o ministro observou que à medida que se aproxima o pleito eleitoral de 2020 nos EUA, alguns políticos em Washington tentarão tirar da manga a "carta russa" de forma ainda mais insistente.

    "Espero que isso não enfraqueça ainda mais as relações bilaterais, cujo estado já não é o melhor", sublinhou.

    O principal problema das relações russo-americanas, segundo o chanceler russo, é que, para o establishment norte-americano, estas não têm valor em si, a Rússia é vista como um objeto, que é demonizado para disciplinar a Europa e manter o vínculo euro-atlântico.

    "Sabemos quais são os países que os EUA conseguiram obrigar a cumprir esse papel. Evidentemente que isso não vai funcionar conosco", enfatizou Lavrov.

    "Da nossa parte, damos valor às relações que estabelecemos com qualquer país. E estamos dispostos a agir do mesmo jeito com os EUA. O potencial de interação bilateral construtivo é imenso. Penso que nossos povos merecem algo melhor do que temos agora", disse o ministro.

    Quanto aos contatos de alto nível, o presidente russo Vladimir Putin anunciou na cúpula do G20 em Buenos Aires que está aberto a se reunir com o presidente dos EUA, assim que a parte norte-americana estiver pronta. Ainda é difícil dizer onde e quando esse encontro poderá acontecer, concluiu.

    Mais:

    Macron defende manutenção de tropas no Levante após retirada dos EUA da Síria
    'Planos americanos colapsam como castelo de cartas': EUA e sua retirada da Síria
    Inteligência britânica teria feito lista de parlamentares com ligações à Rússia e China
    Tags:
    Tratado INF, defesa, interesses, mísseis, relações bilaterais, guerra, segurança, Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Shoigu, Sergei Lavrov, Vladimir Putin, Ocidente, EUA, Washington, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik