02:16 20 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Unidade de elite antiterrorista Alfa do Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB)

    Serviços especiais preveniram atentados terroristas nas eleições presidenciais na Rússia

    CC BY-SA 3.0 / SpetsnazAlpha
    Rússia
    URL curta
    260

    Serviços especiais russos conseguiram prevenir atentados terroristas do Daesh que pretendiam realizar nas repúblicas russas de Inguchétia e Bascortostão no dia das eleições presidenciais, em 18 de março.

    Daesh (organização terrorista proibida na Rússia) planejou organizar atentados terroristas nessas regiões russas nos locais de votação, segundo afirma Aleksandr Bortnikov, chefe do Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB, na sigla em russo).

    O diretor da FSB sublinhou que no decurso da operação antiterrorista, realizada na república de Inguchétia, foram neutralizados dois membros do Daesh que "estavam preparando o atentado terrorista em uma das urnas no dia da eleição do presidente da Federação da Rússia".

    Além disso, ele destacou que na república de Bascortostão também foram detidos dois membros do grupo radical de direita que planejavam realizar atentados terroristas em urnas da cidade de Ufa. Foram confiscados dois explosivos poderosos artesanais que os criminosos possuíam.

    No total desde o início de 2018, os serviços especiais da Rússia têm interrompido atividades de 12 grupos terroristas; 189 pessoas foram detidas e 15 criminosos e seus cúmplices foram neutralizados, comunicou.

    Mais:

    Parlamentar: Eleições russas sofreram 'milhares de tentativas externas de intromissão'
    Analista sobre vitória de Putin nas eleições: ataques do exterior unem ainda mais russos
    Sem parabéns: Trump não pretende ligar para Putin após vitória nas eleições
    Chancelaria destaca participação 'sem precedentes' em eleições russas no exterior
    Tags:
    atentado terrorista, urnas, eleições russas 2018, Daesh, Aleksandr Bortnikov, Bascortostão, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik