02:03 18 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Sergei Skripal, ex-coronel do serviço de inteligência militar da Rússia, durante uma audiência no tribunal do distrito militar de Moscou (foto de arquivo, 2006)

    Oficial russo: EUA poderiam produzir agente químico usado em envenenamento no Reino Unido

    © REUTERS / Kommersant/Yuri Senatorov
    Rússia
    URL curta
    Envenenamento de ex-espião russo (100)
    7103

    A classe de agentes nervosos Novichok [substância A-234] poderia ter sido produzida nos Estados Unidos, já que há documentos confirmando essa teoria, disse o chefe do laboratório de controle químico e analítico do centro científico do Ministério da Defesa da Rússia neste domingo.

    A afirmação surge em meio à investigação sobre o envenenamento do ex-espião duplo russo Sergei Skripal com uma substância tóxica no Reino Unido.

    "Em 1998, olhando através da próxima versão da biblioteca espectral, que é publicada pelo Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia dos EUA e contém dados espectrais de cerca de 300.000 compostos químicos e é constantemente atualizada, encontramos uma substância que nos interessou, porque era um agente de fósforo orgânico. E percebemos que deve ter um forte efeito letal. Agora, ao julgar pelo nome dessa substância, foi exatamente o mesmo Novichok, A234", disse Igor Rybalchenko à emissora Rossiya 1.

    Ele observou que esta substância foi adicionada ao banco de dados dos EUA por um membro do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos Químicos do Exército dos EUA. Um documento de confirmação do banco de dados foi apresentado no estúdio.

    "O detalhe mais interessante nesta história: nós não encontramos este registro nas próximas versões do banco de dados, embora eles normalmente só expandam, sendo constantemente atualizados, mais e mais substâncias", afirmou Rybalchenko, acrescentando que ele não poderia explicar de onde esse item desapareceu.

    Ele também observou que após a publicação dos livros pelo químico soviético Vil Mirzayanov, que se mudou para os Estados Unidos, a substância Novichok poderia ser facilmente sintetizada "em qualquer laboratório preparado".

    "Sabemos pelo livro de Mirzayanov que esta é uma substância com uma fórmula química específica, e essa fórmula foi publicada lá. Deve-se notar que após a publicação da fórmula, não foi difícil para um laboratório químico mais ou menos preparado sintetizar esta substância", explicou o químico.

    Os serviços do Reino Unido poderiam ter usado o antídoto simples atropina para salvar Sergei Skripal e sua filha Yulia, o que provavelmente não produziu o efeito desejado, disse Rybalchenko.

    "As substâncias desta classe são muito difíceis de combater no tratamento e terapia antídoto […] A atropina é um antídoto trivial, mas, provavelmente, não deu o efeito desejado", comentou.

    Ele observou que tudo é conhecido no momento é que as pessoas perderam a consciência.

    "Nenhum sintoma foi divulgado, ainda é desconhecido, e eles simplesmente ignoraram a proposta da Rússia de participar da investigação", acrescentou o especialista.

    Skripal e sua filha Yulia estão internados em estado crítico desde 4 de março, sendo tratados por exposição ao que os especialistas do Reino Unido dizem ser o agente nervoso A234. O lado britânico alegou que era um agente nervoso do tipo Novichok, desenvolvido na União Soviética.

    A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, acusou a Rússia de orquestrar um ataque ao ex-oficial de inteligência e expulsou 23 diplomatas russos como medida punitiva.

    O lado russo rejeitou fortemente as acusações e ofereceu sua assistência na investigação. No entanto, o pedido de Moscou de amostras da substância química usada para envenenar Skripal foi negado.

    O lado russo também expulsou diplomatas britânicos em resposta e ordenou que o Conselho Britânico parasse suas atividades na Rússia.

    Tema:
    Envenenamento de ex-espião russo (100)

    Mais:

    Mídia: 20 países planejam expulsar diplomatas russos devido a caso Skripal
    Embaixador russo lamenta possível expulsão da Irlanda após caso Skripal
    Conselho Europeu quer envolvimento da OTAN no escândalo Skripal
    Tags:
    espionagem, Novichok, A-234, envenenamento, Igor Rybalchenko, Yulia Skripal, Sergei Skripal, Reino Unido, Estados Unidos, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik