01:52 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente russo Vladimir Putin observando as manobras militares russo-bielorrussas Zapad 2017 em um campo de treino na região de Leningrado, Rússia.

    Menos dinheiro, mais cérebro: Putin exalta inteligência artificial russa para bater os EUA

    © Sputnik / Mikhail Klimentiev
    Rússia
    URL curta
    13210

    Os sistemas avançados de armas e a ausência de necessidade de bases militares em nações estrangeiras são fatores-chave que permitirão aos militares russos defender a nação, apesar de ter recebido muito menos recursos do que seus homólogos dos EUA, disse o presidente da Rússia, Vladimir Putin, na última sexta-feira.

    Putin presidiu uma reunião de altos funcionários do Ministério da Defesa na nova Academia estratégica de mísseis a leste de Moscou. A instalação é onde os futuros oficiais responsáveis pelo arsenal nuclear russo vão treinar. Ela possui salas de conferências confortáveis, laboratórios de engenharia de ponta, uma seção de esportes de última geração e uma impressionante variedade de modelos de mísseis com ponta nuclear em exibição, com iluminação dramática. Um modelo, um UR-100, até parece estar decolando em frente ao edifício principal.

    O local escolhido para a reunião, na qual foram discutidos os resultados de 2017 e os planos para o futuro, era aparentemente simbólico. Putin usou a ocasião para apresentar sua visão para os militares russos — uma força profissional pequena, ágil, bem armada, que pode lidar com a OTAN, muito bem financiada, graças à superioridade tecnológica.

    "A Rússia deve estar entre os líderes — e em algumas áreas ser o líder absoluto — na criação de um exército da nova geração, um exército de um novo paradigma tecnológico. Esta é uma questão de maior prioridade para garantir a nossa soberania, paz e segurança dos nossos cidadãos, um desenvolvimento estável do país, buscando uma política externa aberta e independente que se baseie nos interesses do nosso país", disse ele aos generais.

    Putin comparou os gastos de defesa da Rússia, que serão cerca de US$ 80 bilhões em 2018, ou cerca de 2,85% do PIB esperado de acordo com as estimativas do governo, para o financiamento norte-americano de mais de US$ 700 bilhões, e disse que a disparidade óbvia só pode ser abordada se a Rússia usar cérebros para se defender.

    "Nós temos que ser inteligentes. Não confiamos apenas no 'músculo militar', e não seremos atraídos para uma corrida de armamentos economicamente esgotada e sem sentido", afirmou. "Nós não precisamos de um número infinito de bases em todo o mundo e não vamos jogar o policiamento mundial".

    Liderança

    O termo "paradigma tecnológico" é extraído de uma teoria que afirma que a forma como uma sociedade se organiza baseia-se em certas tecnologias-chave. De acordo com a teoria, o quinto paradigma atual, que ganhou vida graças à microeletrônica e aos avanços digitais, está em processo de substituição por um novo paradigma, embora as tecnologias que dê forma a ele ainda não foram vistas. Bioengenharia, inteligência artificial e técnicas de fabricação de nano-escala estão entre os candidatos.

    Considerando o gosto por Putin pela inteligência artificial (IA) que, segundo ele, ditará uma vantagem decisiva para os países que aperfeiçoam a tecnologia, pode-se assumir com segurança que a IA teria um papel proeminente no futuro das Forças Armadas russas, dizem especialistas à RT. Na verdade, alguns desses algoritmos já são usados para fins militares.

    Por exemplo, o novo centro de comando militar russo, que foi inaugurado há mais de três anos, "já possui muitos elementos que podem ser chamados de" relacionados à IA ", disse o especialista militar Aleksey Leonkov. Os algoritmos de auto-ensino são usados para analisar e resumir a enorme quantidade de dados que o centro recebe de várias fontes militares e civis, desde relatórios de comandantes de base e imagens de satélite até estatísticas nacionais. Esta abordagem assistida por computador pode aumentar dramaticamente a eficiência logística.

    "A parte logística da operação na Síria era sobre fornecer e transportar um grande número de cargas de forma ótima, economicamente falando. Os fluxos de dados detalhando o uso de munição e o movimento de navios foram processados por algoritmos de IA", disse Leonkov.

    A questão da economia é muitas vezes essencial para os militares. Por exemplo, os enxames de drones podem se tornar um problema, não porque sejam difíceis de derrubar, mas porque, com mísseis caras de superfície a ar, não é economicamente viável, em comparação com o disparo de aviões de guerra multimilionários.

    "É por isso que os produtores de defesa estão trabalhando em respostas adequadas a essa ameaça, que usaria feixes laser ou microondas baratos. As lâminas militares são, antes de tudo, destinadas a detectar sensores ópticos cegos de aeronaves ou mísseis guiados", afirmou.

    Inteligência artificial

    Outra área bem adaptada para IA é o reconhecimento automático de ameaças.

    "Foi testado primeiro para dados mais simples, como imagens de ar e satélite, e agora está sendo implementado para estações de radar. Reconhecendo entre milhares de objetos, aqueles que representam uma ameaça é o trabalho que um IA é bom, atendendo aos critérios corretos ", disse Leonkov. O aplicativo pode vir a sistemas individuais, acrescentou. Um sistema de defesa aérea pode usar o IA para classificar os alvos e escolher qual se envolver primeiro, o que pode aguardar e quais são chamarizes.

    Leonkov disse que o atual nível de tecnologia não permitiria, por algum tempo, sistemas robóticos totalmente informatizados serem melhores do que os seus homólogos tripulados. Mesmo um bom tanque autônomo seria derrotado em combate real por uma equipe experiente. Mas uma equipe recomendada por um algoritmo de IA para ver melhor o ambiente de combate teria uma vantagem, disse ele.

    Mesmo os veículos robóticos controlados remotamente, como os drones de reconhecimento e de ataque amplamente utilizados pelos EUA no campo de batalha, podem ser pirateados por festas proficientes, incluindo o Irã e a Rússia, o que demonstra sua vulnerabilidade em relação às aeronaves tripuladas.

    Esse fator é considerado pelos estrategistas militares quando eles decidem quanto controle os sistemas de armas estão dispostos a abandonar os computadores. 

    Os militares russos podem esperar outros sistemas avançados de armas nos próximos anos, incluindo ogivas hipersônicas, o tenente-general Geng Evgeny Buzhinsky disse à RT. "Nós já temos essa tecnologia. Nós testámos o míssil de Tsirkon, que carrega as ogivas hipersônicas, e a questão agora é quando o Ministério da Defesa o aprova e constrói tais mísseis em série".

    A diferença que a Rússia tem para os EUA, Israel ou China em relação aos drones provavelmente será encerrada em breve, disse ele. "Nós fechamos a lacuna em termos de drones de reconhecimento, mas ainda ficamos atrasados com drones de ataque. Mas considerando a prioridade e o financiamento atualmente administrados aos sistemas drone, acredito que vamos fechá-lo dentro de cinco a dez anos", disse ele.

    Mais:

    Inteligência artificial ajuda NASA a descobrir novo planeta
    Inteligência artificial: o que esperar de máquinas que podem pensar?
    Inteligência artificial poderá enriquecer chineses
    Tags:
    militares, tecnologia, segurança, defesa, inteligência artificial, Ministério da Defesa Russo, Geng Evgeny Buzhinsky, Aleksey Leonkov, Vladimir Putin, Estados Unidos, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik