18:34 26 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0149
    Nos siga no

    O ex-secretário do Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que a venda dos F-35 aos Emirados Árabes Unidos foi o fator crítico dos Acordos de Abraão, que normalizaram as relações entre Tel Aviv e Abu Dhabi.

    Os Acordos de Abraão foram firmados em agosto de 2020 pelos Estados Unidos, EAU e Israel. A administração Trump aprovou a venda do caça de quinta geração a Abu Dhabi em setembro de 2020 em troca da normalização dos laços entre os Emirados e o Estado judeu. No entanto, Israel, sendo o único país no Oriente Médio que opera os F-35, procurou bloquear a venda do avião.

    "O acordo para vender as aeronaves provou aos Emirados que temos confiança neles", declarou Pompeo em entrevista ao portal israelense Ynet, publicada nesta quinta-feira (10).

    De acordo com ex-secretário, a venda dos F-35, "além das capacidades que dá aos EAU", serve de sinal de "que os israelenses e os americanos acreditam que os Emirados podem compartilhar seu conceito de segurança. E isso é muito, muito importante".

    Contudo, os comentários de Pompeo contradizem as recentes declarações sobre o assunto do premiê israelense Benjamin Netanyahu e de outras personalidades oficiais de Israel, os quais têm insistido que os F-35 não faziam parte da normalização, do ponto de vista de Tel Aviv.

    Netanyahu negou repetidamente que seu gabinete tivesse dado luz verde para a venda dos F-35 a Abu Dhabi, embora outras informações tenham indicado que seu governo aprovou tacitamente a venda após ter sido assegurado pelos EUA que a vantagem militar de Israel não seria contestada.

    Oficiais emiradenses também negaram que o F-35 tenha sido o fator chave para sua decisão de normalizar as relações com Israel. No início deste ano, o embaixador dos Emirados nos Estados Unidos, Yousef Al-Otaiba, sugeriu que Abu Dhabi aceitou o acordo para impedir Israel de tomar ilegalmente vastas áreas da Cisjordânia.

    A administração Biden congelou temporariamente o acordo de venda de armas dos EUA aos Emirados, no valor de US$ 23 bilhões (R$ 116,5 bilhões), depois da posse de Biden, mas prosseguiu com o acordo em abril após uma revisão técnica.

    Mais:

    Hamas ameaça voltar a lançar foguetes se Israel não desbloquear ajuda do Qatar, diz mídia
    Coreia do Norte condena Israel por tornar Gaza 'matadouro humano' e ponto de 'massacre de crianças'
    Amigável, confiável, mas implacável: que sabemos do novo chefe do Mossad de Israel?
    Tags:
    Israel, Mike Pompeo, EAU, F-35, Benjamin Netanyahu
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar