02:03 15 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2180
    Nos siga no

    O líder supremo iraniano contou ter dito a seus negociadores em Viena que espera por ações em vez de promessas, enquanto os representantes tentam reiniciar o acordo nuclear de 2015.

    Nesta sexta-feira (4), o aiatolá Ali Khamenei anunciou em seu discurso na televisão, citado pela Reuters: "Eu disse a nossos negociadores que ações e não promessas [dos seis países-membros do acordo] são precisas para restauração do acordo nuclear".

    Ele referiu que não se pode confiar nas palavras e promessas dos estrangeiros, adicionando que a mesma premissa é verdadeira e deve ser aplicada a outras questões importantes do país.

    "É fácil falar, e todo mundo faz declarações", afirmou.

    A reação do líder supremo do Irã surgiu após uma série de comentários positivos terem sido feitos na sequência da mais recente rodada de negociações em Viena. Na terça-feira (1º), o representante do governo iraniano, Ali Rabiei, confirmou que não houve "nenhum grande obstáculo às negociações sobre a revitalização do JCPOA [Plano de Ação Conjunto Global]" e que um acordo deve ser alcançado antes do final da atual administração da República Islâmica.

    Em circunstâncias normais e na ausência de dias feriados na data em questão, a posse do presidente iraniano acontecerá no dia 5 de agosto, coincidindo com o aniversário da emissão do decreto constitucional do país.

    Polícia do lado de fora do hotel onde ocorreu a reunião da Comissão Conjunta do acordo nuclear iraniano, em Viena, Áustria, em 20 de abril de 2021
    © REUTERS / Leonhard Foeger
    Polícia do lado de fora do hotel onde ocorreu a reunião da Comissão Conjunta do acordo nuclear iraniano, em Viena, Áustria, em 20 de abril de 2021

    Na quarta-feira (2), o alto representante para a Política Externa e de Segurança Comum da UE, Enrique Mora, responsável pela coordenação das negociações indiretas EUA-Irã, disse que o acordo está ao alcance e expressou a esperança que fosse alcançado durante a próxima rodada de negociações.

    Assinado pelo Irã em 2015 em conjunto com os EUA, China, França, Alemanha, Rússia, Reino Unido e Alemanha, o JCPOA exigia que o Irã reduzisse seu programa nuclear e as reservas de urânio em troca de alívio das sanções.

    Todavia, o acordo nuclear começou a se desfazer em 2018, quando o então presidente dos EUA, Donald Trump, tirou Washington do acordo e impôs novas sanções à República Islâmica. Como resultado, em 2019 o país persa começou a abandonar gradualmente os termos do acordo. As negociações entre EUA e Irã foram retomadas neste ano em Viena.

    Mais:

    Falha em sistema de ejeção durante decolagem de caça F-5 deixa 2 pilotos mortos no Irã
    Aproximação entre rivais regionais: como Irã e Arábia Saudita podem retomar laços diplomáticos?
    Maior navio da Marinha do Irã afunda após ficar em chamas no golfo de Omã (VÍDEO, FOTOS)
    Tags:
    Viena, Aiatolá Ali Khamenei, acordo nuclear, JCPOA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar