07:30 14 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    81370
    Nos siga no

    Funcionários de segurança nacional dos EUA estão, alegadamente, acompanhando de perto os movimentos de dois navios iranianos, os quais se acredita serem direcionados à Venezuela, de acordo com o portal Politico.

    Uma fragata e o ex-petroleiro Makran, convertido em base flutuante e comissionado neste ano, têm se dirigido para o sul ao longo da costa leste da África, conforme diz o portal citando fontes.

    Os relatos de mídias iranianas sugerem que o Makran foi considerado pelas autoridades da República Islâmica capaz de proporcionar uma plataforma para guerra eletrônica e operações especiais devido a suas capacidades de mísseis e outro armamento. A embarcação pode supostamente transportar seis ou sete helicópteros, bem como drones.

    Por enquanto, ainda não há informação disponível nem em relação à carga a bordo, nem quanto ao destino final dos navios.

    No entanto, funcionários do governo do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, teriam sido aconselhados a não dar as boas-vindas às belonaves iranianas, segundo a publicação.

    Enquanto o relato desta quinta-feira (27), citando militares norte-americanos, refere que as embarcações estão regressando, dados da manhã desta sexta (28) fornecidos pelas fontes sugerem que os navios do Irã ainda seguem rumo ao sul.

    Acredita-se que os legisladores norte-americanos foram informados nos últimos dias pelos responsáveis de inteligência que os navios iranianos poderiam estar se movendo para a costa venezuelana.

    Se, na verdade, seu destino acabar por ser a nação sul-americana, o movimento será interpretado muito provavelmente como provocativo em meio às tensões nas relações EUA-Irã, de acordo com o portal.

    Ainda não houve comentários oficiais à matéria do relato, nem do Ministério das Relações Exteriores da Venezuela nem da Casa Branca.

    Parceria sob sanções

    Ao longo dos últimos anos, o Irã e a Venezuela criaram uma cooperação próxima, esforçando-se para contornar as sanções norte-americanas.

    Em janeiro de 2019, a Venezuela mergulhou em uma crise política quando o então líder da Assembleia Nacional controlada pela oposição, Juan Guaidó, se proclamou presidente interino em uma tentativa de afastar do poder o presidente Nicolás Maduro.

    Juan Guaidó durante mobilização popular em Caracas, Venezuela
    © Sputnik / Stringer
    Juan Guaidó durante mobilização popular em Caracas, Venezuela

    Os Estados Unidos e a maioria dos países ocidentais apoiaram Guaidó, punindo o país sul-americano com sanções. A Rússia, China e Turquia, entre outros Estados, deram o suporte a Maduro, o qual repetidamente negou as alegações dos EUA sobre fraude eleitoral e acusou Washington de tentar derrubar o governo venezuelano para aproveitar os recursos naturais do país.

    No que diz respeito ao Irã, os EUA restabeleceram suas medidas restritivas contra a República Islâmica em maio de 2018, quando o então presidente Donald Trump anunciou a saída unilateral de Washington do acordo nuclear iraniano de 2015, também conhecido como Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês).

    A administração Biden ressaltou que as sanções anti-iranianas serão canceladas apenas após a nação do Oriente Médio voltar a cumprir o acordo nuclear. Recentemente, os dois países decidiram tentar um diálogo conjunto que começou em Viena, na Áustria, no início de abril. Apesar dos encontros, não foram acordadas resoluções definitivas.

    A cooperação entre o Irã e Venezuela, de acordo com relatos, tem variado desde embarques de gasolina até projetos comuns de fábricas de carros e de cimento.

    Mais:

    Maduro condiciona diálogo com oposição radical na Venezuela, exigindo que renuncie ao 'golpismo'
    Enriquecimento de urânio do Irã 'no nível de países que estão fabricando bombas', diz chefe da AIEA
    Alto comandante: Irã pronto para ajudar Síria a aumentar suas capacidades defensivas
    Tags:
    navios de guerra, EUA, Venezuela, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar