13:19 18 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    6368
    Nos siga no

    Os militares israelenses e o grupo militante Hamas, que controla Gaza, trocam ataques aéreos há mais de uma semana. Pelo menos 228 pessoas, incluindo 58 crianças, foram mortas desde o início das hostilidades.

    O Irã exortou a comunidade internacional a parar os ataques israelenses contra os palestinos, criticando a "neutralidade inaceitável" demonstrada por várias nações diante da explosão de violência em Gaza, que já dura mais de uma semana. O Ministério das Relações Exteriores iraniano reiterou o total apoio à causa palestina.

    "A República Islâmica do Irã condena veementemente a nova rodada de agressão brutal do regime sionista contra o povo indefeso da Palestina e da Faixa de Gaza, que resultou no martírio de dezenas de civis, incluindo mulheres e crianças, e na destruição de muitos edifícios residenciais", afirmou o porta-voz do MRE iraniano, Saeed Khatibzadeh, citado pela agência FARS News.

    As declarações foram dadas durante coletiva de imprensa semanal que ocorreu nesta segunda-feira (17). O porta-voz condenou as hostilidades em curso, colocando a culpa diretamente em Israel e criticou o apoio a Tel Aviv demonstrado por uma série de nações ocidentais, além de criticar as tentativas insuficientes de conter as hostilidades empreendidas por países e organizações internacionais.

    Israel bombardeia posição do Hamas na Faixa de Gaza em retaliação ao lançamento de mais de mil foguetes pelo grupo contra seu território
    © AP Photo / Hatem Moussa
    Israel bombardeia posição do Hamas na Faixa de Gaza em retaliação ao lançamento de mais de mil foguetes pelo grupo contra seu território

     

    "Infelizmente, graças ao apoio descarado de alguns países ocidentais, vemos que a agressão do regime sionista aumentou”, disse Khatibzadeh. No entanto, o porta-voz não nomeou especificamente nenhum país ou organização.

    De acordo com Teerã, a única maneira de resolver o conflito israelense-palestino é realizar um referendo entre todos os residentes da região problemática, independentemente de sua cidadania, etnia ou religião.

    "O plano do Irã para resolver a questão palestina é realizar um referendo com a participação da maioria de todos os habitantes das terras palestinas, incluindo muçulmanos, judeus e cristãos", afirmou Khatibzadeh.

    Segundo o Ministério da Saúde da Faixa de Gaza, os ataques israelenses deixaram pelo menos 218 mortos, incluindo 58 crianças, e feriram outras 1.200 pessoas. Em Israel, os ataques do Hamas deixaram pelo menos dez mortos.

    Mais:

    Conflito foi 'premeditado' pelo Hamas, diz embaixador de Israel na ONU
    Ataques de Israel matam 42 pessoas em Gaza, o pior número em uma semana de conflito (VÍDEOS)
    'Perderam sua bússola moral': Estados muçulmanos condenam quem normalizou relações com Israel
    Conflito Israel-Palestina é perigoso 'em caso de expansão', prevê Moscou
    Tags:
    Faixa de Gaza, Gaza, Hamas, Israel, Palestina, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar