18:45 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    9722
    Nos siga no

    O aviso do ministro das Relações Exteriores israelense decorre no mesmo dia em que o presidente do Parlamento iraniano anunciou que Teerã conseguiu enriquecer urânio a 60%.

    Israel fará "o que for preciso" para garantir que o Irã não adquira armas nucleares, disse nesta sexta-feira (16) o ministro das Relações Exteriores israelense, Gabi Ashkenazi.

    A declaração de Ashkenazi ocorreu logo após a cúpula com os homólogos da Grécia e de Chipre, além de um representante sênior dos Emirados Árabes Unidos (EAU) em Pafos, Chipre. O ministro israelense acrescentou que as discussões giraram em torno das possibilidades de construir prosperidade e estabilidade na região.

    Os ministros das Relações Exteriores do Chipre, Nikos Christodoulides, de Israel, Gabi Ashkenazi, da Grécia, Nikos Dendias, e Anwar Gargash, conselheiro diplomático do presidente dos Emirados Árabes Unidos, posam para foto durante reunião em Pafos, Chipre
    © REUTERS / Pool
    Os ministros das Relações Exteriores do Chipre, Nikos Christodoulides, de Israel, Gabi Ashkenazi, da Grécia, Nikos Dendias, e Anwar Gargash, conselheiro diplomático do presidente dos Emirados Árabes Unidos, posam para foto durante reunião em Pafos, Chipre
    "Também tivemos tempo para discutir os desafios que o Irã, o Hezbollah e outros extremistas representam para a estabilidade do Oriente Médio e para a paz regional […]. Faremos o que for preciso para evitar esse extremismo […] de triunfar, para evitar que este regime tenha armas nucleares", concluiu Ashkenazi.

    Urânio a 60%

    O aviso do ministro das Relações Exteriores israelense decorre horas após o presidente do Parlamento iraniano, Mohammad Bagher Ghalibaf, anunciar que Teerã conseguiu enriquecer urânio a 60%.

    "Tenho orgulho de anunciar que os cientistas iranianos […] conseguiram obter urânio enriquecido a 60%", disse Ghalibaf.

    De acordo com o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês) celebrado em 2015, o enriquecimento de urânio era limitado a 3,67% para Irã. Após a saída unilateral dos EUA do acordo nuclear em 2018, ainda sobre a administração do presidente Donald Trump, o Irã anunciou a redução gradual de seus compromissos no âmbito do JCPOA e no final de 2020, entrou em vigor a lei iraniana que lançou a produção de urânio enriquecido a 20%, bem como a utilização de centrífugas mais potentes.

    Mais:

    Líbano condena invasão do seu espaço aéreo por Israel para ataques contra capital síria
    Israel quer apoio dos EUA para evitar que acordo com o Irã gere corrida armamentista, diz ministro
    Chanceler iraniano acusa Israel de provocar explosão na usina nuclear de Natanz e jura vingança
    Como poderia ficar relação Israel-EUA caso Washington volte ao acordo nuclear com Teerã?
    Tags:
    Israel, Irã, EUA, nuclear, arma nuclear, urânio, urânio enriquecido, enriquecimento de urânio
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar