18:08 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    6281
    Nos siga no

    Presidente do Parlamento do Irã informou que os cientistas iranianos conseguiram obter urânio enriquecido a 60%. Vale destacar que o acordo nuclear de 2015 previa limite de 3,67%.

    Nesta sexta-feira (16), o presidente do Parlamento iraniano, Mohammad Bagher Ghalibaf, anunciou a conquista de enriquecimento de urânio a 60%.

    "Tenho orgulho de anunciar que os cientistas iranianos […] conseguiram obter urânio enriquecido a 60%", escreveu Ghalibaf em sua conta no Twitter.

    O político iraniano felicitou o povo do Irã pelo enriquecimento de urânio a 60%.

    Na terça-feira (13), o Irã notificou a Agência Internacional de Energia Atômica sobre planejar iniciar enriquecer urânio a 60%. Teerã destacou que o urânio enriquecido a 60% seria usado na produção de molibdênio, necessário para fabricação de medicamentos radiofarmacêuticos. Segundo o presidente do Irã, Hassan Rouhani, Teerã decidiu aumentar o nível de enriquecimento de urânio e instalar centrífugas mais avançadas em reposta à sabotagem contra a usina nuclear de Natanz.

    De acordo com o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês) celebrado em 2015, o enriquecimento de urânio era limitado a 3,67% para Irã. Após a saída unilateral dos EUA do acordo nuclear em 2018, o Irã anunciou a redução gradual de seus compromissos no âmbito do JCPOA, se recusando a restringir pesquisas nucleares, centrífugas e nível de enriquecimento de urânio.

    Mais:

    Autoridade iraniana admite que Israel roubou arquivo nuclear de Teerã na operação Mossad 2018
    'Irã tem potencial para nos arruinar significativamente', admite ex-assessor de segurança israelense
    Porta-voz chinesa desafia EUA a ficarem com água de Fukushima após apoiarem seu despejo no mar
    Novas centrífugas 'com mais capacidade' já estão substituindo as danificadas de Natanz, diz Irã
    Tags:
    Irã, urânio, acordo nuclear, enriquecimento, Plano de Ação Conjunto Global, Teerã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar