00:39 19 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    060
    Nos siga no

    O chefe da Igreja Católica, que está em sua visita histórica ao Iraque, lamentou o "declínio do número de cristãos" em Mossul e pediu que regressem à cidade.

    O papa Francisco dirigiu-se aos cristãos que saíram da cidade iraquiana de Mossul, informou no domingo (7) a agência iraquiana INA.

    "A diminuição do número de cristãos no Oriente Médio é uma grande perda", disse o papa, apelando aos cristãos para que retornem a Mossul. O chefe da Igreja Católica pediu orações por aqueles que morreram vítimas do terrorismo, observando que Mossul é o lar de "dois símbolos que nos aproximam de Deus", e que a propagação do mal levou a um afastamento dos valores divinos.

    O Sumo Pontífice chegou ao Iraque na sexta-feira (5), em visita oficial de quatro dias, considerada histórica. O papa Francisco se reuniu no sábado (6) de manhã com o líder espiritual xiita iraquiano aiatolá Ali al-Sistani em Najaf, 160 quilômetros a sul de Bagdá.

    De acordo com o Departamento de Relações Externas do Patriarcado de Moscou, desde 2014 todos os 45 templos cristãos em Mossul foram destruídos, saqueados ou transformados em mesquitas.

    Após a captura de Mossul no início de junho de 2014, o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) declarou o estabelecimento de um "califado islâmico" nos territórios sob seu controle no Iraque e na Síria, exigindo que os cristãos deixassem Mossul ou se convertessem ao islamismo. Na época, mais de 180.000 cristãos em Mossul e Qaraqosh foram forçados a deixar suas casas.

    Mais:

    Em encontro com líder xiita, papa acentua importância do diálogo entre as religiões (VÍDEOS)
    Esforços de Soleimani permitiram que papa visitasse Iraque com segurança, diz conselheiro iraniano
    Papa vai se encontrar com o aiatolá Ali al Sistani em visita ao Iraque
    Tags:
    Iraque, Papa Francisco, Mosul, Igreja Católica, Daesh
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar