06:38 28 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1111
    Nos siga no

    O presidente francês, Emmanuel Macron, encomendou um estudo para avaliar como a França lida com seu passado colonial em relação à Argélia – o relatório, no entanto, não agradou o governo argelino.

    Em entrevista ao site argelino Algerie Maintenant, o ministro das Comunicações da Argélia, Ammar Belhimer, afirmou nesta quarta-feira (17) que o relatório "não é objetivo" e fica "abaixo das expectativas".

    Belhimer disse também que o relatório nega todos os fatos históricos. Ele acusa o estudo de ter colocado a vítima "em pé de igualdade com o carrasco".

    O historiador francês Benjamin Stora é o responsável pelo relatório. Stora foi encarregado de avaliar o progresso feito pela França nas relações com a ex-colônia do norte da África e entregou o resultado a Macron no mês passado.

    Stora descreveu uma "guerra de memória sem fim" entre franceses e argelinos, travada em reivindicações de "vitimização concorrentes", segundo a AFP.

    Os conflitos durante a guerra de independência da Argélia, que duraram de 1954 a 1962, continuam a prejudicar as relações entre os dois países seis décadas depois.

    Barricada em rua de Argel durante a guerra da independência da Argélia, em janeiro de 1960
    Barricada em rua de Argel durante a guerra da independência da Argélia, em janeiro de 1960

    Segundo Belhimer, o relatório "esconde as reivindicações legítimas da Argélia, em particular o reconhecimento oficial por parte da França de crimes de guerra e crimes contra a humanidade, perpetrados durante os 130 anos de ocupação da Argélia".

    Nem o presidente argelino, Abdelmadjid Tebboune, nem o diretor dos arquivos nacionais, Abdelmadjid Chikhi, falaram sobre o assunto.

    A associação argelina de veteranos da guerra de independência também rejeitou o relatório de Stora, dizendo que "não abordou […] os vários crimes coloniais perpetrados pelo Estado francês".

    No relatório, Stora faz uma série de propostas, incluindo a criação de uma "comissão de memória e verdade" mista, formada por franceses e argelinos, que ouviria depoimentos de pessoas que sofreram durante a guerra e conduziria os esforços de reconciliação.

    Presidente da França, Emmanuel Macron
    ©Abir Sultan/Pool via REUTERS
    Presidente da França, Emmanuel Macron

    Macron é o primeiro presidente da França nascido após a independência da Argélia e foi mais longe do que qualquer um de seus antecessores no reconhecimento de crimes cometidos pelas forças francesas contra as ex-colônias.

    Um pedido de desculpas oficial, no entanto, é veementemente contestado por políticos da direita francesa, que consideram os atos de arrependimento nacional uma traição.

    Mais:

    Macron: 'Depender da soja brasileira é endossar o desmatamento da Amazônia'
    Macron pede maior envolvimento militar e em defesa dos EUA com administração Biden
    Argélia se torna 1º país africano a registrar a vacina Sputnik V
    Explosão de bomba artesanal mata 5 civis e deixa 3 feridos na Argélia
    Argélia receberá 500 mil doses da vacina russa Sputnik V em janeiro
    Tags:
    guerra, relatório, independência, Emmanuel Macron, França, Argélia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar