11:52 16 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 60
    Nos siga no

    Com "medo de represálias", Washington estaria considerando retirar funcionários da sua embaixada em Bagdá no aniversário do assassinato do general Qassem Soleimani, ação que o presidente Trump diz ter ordenado.

    A informação foi relatada por vários meios de comunicação, porém, poucos detalhes foram oferecidos sobre a suposta retirada dos funcionários diplomáticos, bem como o número total dos mesmos. Se tal fato acontecer, deverá ser uma retirada "discreta" e "temporária", e há possibilidade de se prolongar até meados de janeiro do próximo ano, conta o The Washington Post.

    O Departamento de Estado dos EUA não proporcionou nenhuma informação adicional ou oficial sobre o assunto, mas sublinhou que garantir a segurança dos trabalhadores da sua embaixada é "prioridade máxima", segundo reporta a mídia.

    Em setembro, houve a informação de que Washington estaria preparando o encerramento da sua embaixada na capital iraquiana, que por sua vez tem sido atingida por vários ataques de mísseis.

    Em janeiro deste ano, um ataque aéreo norte-americano em Bagdá vitimou o general Qassem Soleimani, então comandante da Força Quds do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica do Irã e uma das figuras mais respeitadas no Irã, gerando grande indignação no país e na região.

    Mais:

    Outro comandante iraniano teria sido morto no Iraque, afirmam fontes locais
    Refinaria de petróleo no Iraque é atingida por foguete, dizem autoridades
    Conselho de Guardiães do Irã aprova lei que aumenta enriquecimento de urânio no país
    Tags:
    assassinato, Qassem Soleimani, Embaixada dos EUA, Bagdá, Estados Unidos, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar