19:25 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5351
    Nos siga no

    O ministro das Relações Exteriores da Síria defendeu em discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas que os países afetados por sanções devem se unir e adotar ações políticas e econômicas conjuntas para resistir a essas medidas.

    "Medidas coercitivas unilaterais impostas por alguns países violam claramente o direito internacional. As isenções humanitárias que invocam repetidamente não existem no terreno. Essas são alegações falsas destinadas a encobrir sua desumanidade e salvar sua aparência. Convocamos todos os países afetados e aqueles que rejeitam tais medidas a cerrar fileiras contra elas e aliviar seu impacto em nossos povos. Isso deve acontecer por meio de cooperação, coordenação e meios políticos, econômicos e comerciais concretos", disse Walid Muallem neste sábado (26).

    Segundo o chanceler sírio, embora a pandemia da COVID-19 demande uma articulação multilateral para combatê-la, baseada em atitudes e não apenas em palavras, a realidade que se tem é a prevalência continuada das agendas políticas sobre as agendas humanitárias. E a prova disso é o fato de que, mesmo com o novo coronavírus causando tantas mortes e devastando economias, as sanções impostas contra a Síria e outros países seguem sendo renovadas em vez de serem retiradas. 

    ​"Quando a entrega de medicamentos que salvam vidas e equipamento médico está bloqueada no meio de uma pandemia, isso realmente protege civis ou priva-os de tratamento? Quando os esforços para reconstruir a Síria após o destruição trazida por terroristas é obstruída, isso realmente serve aos sírios ou reduz empregos, piora as condições de vida e evita o retorno de refugiados e deslocados internos? Quando campos de trigo são queimados, campos de petróleo são saqueados e o setor de energia é alvo, isso realmente protege os civis ou nega-lhes o acesso aos alimentos, aquecimento, gás e eletricidade?", questionou o ministro.

    Mais:

    Brasil 'se apequena no plano externo' com Bolsonaro na ONU, avalia analista
    Presidente sul-africano apela na ONU por estímulo à África em meio à pandemia
    Assembleia virtual da ONU: como reuniões on-line impactam a diplomacia?
    ONU: chanceler acusa Ocidente de tentar levar caos e anarquia à Bielorrússia
    Tags:
    Walid Muallem, pandemia, COVID-19, cooperação, Assembleia Geral, Nações Unidas, ONU, sanções, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar