07:03 24 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1231
    Nos siga no

    O acordo nuclear internacional JCPOA "morrerá para sempre" se o embargo de armas da ONU contra Teerã não for suspenso, advertiu Ali Shamkhani, chefe do Conselho Supremo de Segurança Nacional do Irã.

    O comentário de Shamkhani também faz referência ao fracasso dos signatários europeus do Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA) em contornar as sanções dos EUA e em cumprir as suas obrigações no âmbito do acordo nuclear.

    ​O JCPOA morrerá para sempre ao contornar a Resolução 2231 e ao continuar com as sanções ilegais contra o Irã relativas ao armamento. O vírus das sanções é o instrumento dos EUA para a sobrevivência da sua hegemonia em declínio. O que a UE irá fazer: salvar a dignidade e apoiar o multilateralismo ou aceitar a humilhação e ajudar o unilateralismo?

    Washington intensificou recentemente seus esforços para tentar prolongar o embargo global à venda de armas a Teerã, apesar da falta de uma justificação legal para o fazer.

    Na quinta-feira (30), o secretário de Estado americano Mike Pompeo sugeriu que os EUA tinham o poder de prorrogar a proibição de venda de armas convencionais ao Irã, nos termos da Resolução 2231, apesar de terem abandonado o acordo nuclear iraniano há dois anos.

    O chanceler iraniano Mohammad Javad Zarif exortou Pompeo a "deixar de sonhar" com a prorrogação do embargo, afirmando que os EUA não têm qualquer fundamento jurídico para o fazer.

    Em maio de 2018, os EUA anularam unilateralmente os seus compromissos no acordo nuclear iraniano (assinado em 2015 pelo Irã e pelos países com assento no Conselho de Segurança da ONU mais a Alemanha) impondo ao Irã duras sanções bancárias e energéticas.

    Míssil iraniano Shahab-3 é lançado durante manobras militares na cidade de Qom, no Irã (foto de arquivo)
    © AP Photo / Ruhollah Vahdati
    Míssil iraniano Shahab-3 é lançado durante manobras militares na cidade de Qom, no Irã (foto de arquivo)

    Frente ao fracasso dos signatários europeus do acordo em criar um pacote de medidas para atenuar o golpe econômico causado pelas ações americanas, o Irã renegou algumas das disposições do acordo nuclear, incluindo as limitações ao seu arsenal de urânio e ao seu enriquecimento.

    Teerã salientou, contudo, que não tem qualquer intenção de obter armas nucleares ou quaisquer outras armas de destruição maciça, alegando que a posse de tais armas é contrária à fé islâmica do país.

    Mais:

    EUA vão usar coronavírus para pressionar Irã, diz alto responsável iraniano
    Administração Trump 'devolveria' EUA a acordo nuclear para colocar pressão sobre Irã
    Irã prepara '13 cenários de vingança' aos EUA pelo assassinato de Soleimani
    Tags:
    JCPOA, UE, embargo de armas, acordo nuclear, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar