10:23 31 Março 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    14614
    Nos siga no

    O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, disse hoje que ainda tem "muitas perguntas" sobre a derrubada de um avião ucraniano no Irã nesta semana.

    Em coletiva de imprensa realizada neste sábado, em Ottawa, o premiê canadense insistiu sobre a necessidade de "clareza total" por parte das autoridades iranianas, as quais, segundo ele, devem assumir toda a responsabilidade por esse incidente "horrível".

    "O que o Irã admitiu é muito sério. Abater uma aeronave civil é horrível. O Irã deve assumir total responsabilidade", disse Trudeau. "O Canadá não descansará até obtermos a responsabilidade, a justiça e a conclusão que as famílias merecem". 

    ​Trudeau disse que pediu ao presidente do Irã, Hassan Rouhani, para trabalhar com o Canadá e a comunidade internacional a fim de "diminuir a tensão" na região, após o reconhecimento de Teerã de que o Boeing 737 ucraniano foi abatido sem querer por um míssil iraniano.

    As autoridades iranianas disseram que o trágico erro ocorreu enquanto Teerã esperava uma resposta potencial dos Estados Unidos a seus ataques prévios às bases norte-americanas no Iraque.

    No último dia 8, o voo PS752 da Ukraine International Airlines caiu pouco depois de decolar da capital iraniana a caminho de Kiev, na Ucrânia. As 176 pessoas que estavam a bordo morreram no incidente, incluindo 57 cidadãos canadenses. Neste sábado, o Irã assumiu a responsabilidade pelo ocorrido, afirmando que seu exército abateu a aeronave acidentalmente.

    Mais:

    Sistema de defesa antiaérea do Irã tomou avião por míssil de cruzeiro, segundo comandante iraniano
    Publicado VÍDEO do suposto lançamento do míssil que atingiu avião ucraniano no Irã
    Rouhani prometeu à Ucrânia levar à justiça os responsáveis ​​pela derrubada do avião no Irã
    Tags:
    Hassan Rouhani, Kiev, mortes, acidente, avião, Ucrânia, Justin Trudeau, Ottawa, Teerã, Irã, Canadá
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar