22:59 20 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    292017
    Nos siga no

    O premiê israelense Benjamin Netanyahu teria advertido seu gabinete para não se envolver demais no assassinato do general iraniano Qassem Soleimani, para que Israel não seja arrastado para o crescente conflito EUA-Irã.

    "O assassinato de Soleimani não é um evento israelense, mas um evento americano. Não estivemos envolvidos e não devemos ser arrastados para isso", declarou Netanyahu ao gabinete de segurança durante reunião na segunda-feira (6), segundo relatórios do site Axios.

    Para não causar a impressão de que Tel Aviv tenha desempenhado algum papel na morte do major-general iraniano, Netanyahu aconselhou os ministros a evitarem falar aos veículos de comunicação sobre o assassinato e sobre apoiar o direito dos EUA de se defenderem.

    De acordo com a inteligência militar e os diretores do serviço secreto do Estado de Israel, Mossad, a probabilidade de um ataque de retaliação é baixa, já que "Israel ficou à distância do incidente". A inteligência israelense acredita que Irã iniciará a planejar uma resposta recíproca nesta terça-feira (7), após a conclusão do período de luto nacional por Soleimani.

    Anteriormente, o primeiro-ministro israelense parabenizou o presidente norte-americano Donald Trump por ter ordenado o ataque que matou Soleimani. Para Netanyahu, o ataque de Washington, em que o alto comandante iraniano foi assassinado, é ato legítimo de autodefesa, uma vez que o comandante iraniano planejaria ataques contra as forças dos EUA.

    Manifestações de vingança

    O assassinato de um comandante militar muito popular no Irã provocou sérias manifestações de vingança, não só em Teerã, mas também entre o Hezbollah - a milícia xiita libanesa que se gaba de ter lutado contra Israel em 2006.

    No dia 3 de janeiro, os EUA realizaram um ataque aéreo ao aeroporto internacional nos subúrbios de Bagdá em que mataram o major-general iraniano Qassem Soleimani e outras 11 pessoas.

    Marcha fúnebre dedicada ao major-general iraniano Qassem Soleimani, ex-chefe da Força Quds, morto em um ataque americano na capital Iraquiana, Bagdá
    © REUTERS / Nazanin Tabatabaee / WANA NEWS AGENCY
    Marcha fúnebre dedicada ao major-general iraniano Qassem Soleimani, ex-chefe da Força Quds, morto em um ataque americano na capital Iraquiana, Bagdá

    A Casa Branca justificou o assassinato como medida preventiva, alegando que Soleimani estava por trás do cerco à embaixada dos EUA no Iraque no dia 31 de dezembro de 2019. Irã jurou vingança pelo que considera ato de terrorismo.

    Mais:

    Netanyahu apoia assassinato de Soleimani como 'autodefesa' dos EUA
    Milhares de iranianos saem às ruas em funeral de Soleimani
    Ex-comandante israelense comenta eventual reação do Hezbollah ao assassinato de Soleimani
    Tags:
    Irã, EUA, israel, Qassem Soleimani, Benjamin Netanyahu
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar