22:12 01 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    581
    Nos siga no

    A Turquia trabalhará para diminuir as tensões entre o Irã e os EUA e entrou em contato com ambas as partes depois que as forças americanas mataram um general iraniano na semana passada, disse o ministro de Relações Exteriores Mevlut Cavusoglu nesta segunda-feira.

    Desde o assassinato de Qassem Soleimani, o mais importante comandante militar de Teerã pelos EUA, Cavusoglu afirmou que mantém telefonemas com seus colegas iranianos e americanos para discutir o assunto.

    Questionado se a Turquia estaria aberta à mediação entre Teerã e Washington, Cavusoglu informou que a Turquia apoiaria quaisquer medidas para aliviar as tensões na região.

    "Continuaremos a trabalhar com outros países para resolver este problema ou diminuir as tensões nos próximos dias", afirmou o diplomata.

    As tensões entre EUA e Irã estarão na agenda durante a visita do presidente russo Vladimir Putin à Turquia nesta quarta-feira, adiantou o oficial turco, acrescentando que o presidente Recep Tayyip Erdogan discutiu a questão com os iranianos, franceses, iraquianos e qatarianos.

    "Nossa preocupação comum é que o Iraque se transforme em uma zona de conflito para outros países. Esse é um risco muito sério para o Iraque e nossa região", afirmou Cavusoglu. "Portanto, continuaremos a fazer o possível para reduzir o ciclo de violência".

    Retrato do general Qassem Soleimani
    © REUTERS / Nazanin Tabatabaee / Agência de Notícias WANA
    Retrato do general Qassem Soleimani

    Os Estados Unidos mataram na semana passada Soleimani, o arquiteto da crescente influência do Irã no Oriente Médio, em um ataque noturno em Bagdá autorizado pelo presidente Donald Trump. O Irã prometeu vingança e na sexta-feira condenou Trump como um "terrorista de fato".

    O Parlamento do Iraque pediu no domingo que os EUA e outras forças militares estrangeiras deixem o país em meio a uma reação crescente contra o assassinato de Soleimani, o que aumentou os temores de um conflito mais amplo no Oriente Médio.

    Cavusoglu disse que a decisão do Parlamento não era vinculativa, acrescentando que Erdogan havia instado seu colega iraquiano a agir com razão.

    "O assassinato de Soleimani não apenas mudou a balança no Iraque, mas também no Irã. Isso pode levar grupos radicais a ganhar força", destacou.

    Cavusoglu pontuou que também discutiu a questão com seus colegas russos, britânicos, qatarianos e paquistaneses, e ainda com o secretário-geral da ONU, António Guterres.

    Mais:

    Alemanha, França e Reino Unido pedem para Irã respeitar acordo nuclear
    Forças de mísseis do Irã estão em estado de alerta máximo, avisa oficial dos EUA
    Submarino da Marinha Real britânica estaria pronto para atacar Irã se guerra eclodir
    Tags:
    ataque, tensões, diplomacia, Recep Tayyip Erdogan, Mevlut Cavusoglu, Vladimir Putin, Iraque, Rússia, Donald Trump, Qassem Soleimani, Estados Unidos, EUA, Turquia, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar