18:26 24 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    495
    Nos siga no

    O comandante do Exército Nacional da Líbia, marechal Khalifa Haftar, declarou uma "jihad e mobilização geral" para resistir contra tropas estrangeiras, no momento em que a Turquia planeja operação no país. 

    Na quinta-feira (2), o parlamento turco aprovou o envio de tropas para ajudar o Governo de Acordo Nacional (GNA), sediado em Tripoli e reconhecido pela ONU. 

    O GNA está sobre cerco das forças leais a Haftar, baseadas no leste da Líbia, desde abril do ano passado. 

    "Hoje, estamos declarando a jihad e a mobilização geral. Homens e mulheres, oficiais e civis vão receber armas", disse o marechal em um discurso transmitido pela televisão. 

    A Líbia está dividida entre dois governos rivais desde 2011, quando o líder Muammar Kadhafi foi deposto e assassinado. Após sua queda, o país passou a ser controlado, ao leste, por Haftar, apoiado por rivais regionais da Turquia - Arábia Saudita, Egito e Emirados Árabes Unidos, e ao oeste, pelo GNA. 

    A decisão turca de enviar um destacamento militar para a Líbia foi criticada pelo presidente norte-americano, Donald Trump, como uma "interferência estrangeira", e também pela Liga Árabe.

    Mais:

    Marechal Haftar espera ajuda da Rússia para suspensão do embargo de armas à Líbia
    Erdogan oferece soldados ao Governo do Acordo Nacional da Líbia
    Liga Árabe expressa oposição à 'interferência na Líbia' após acordo da Turquia
    Tags:
    conflito, ONU, Tripoli, GNA, Khalifa Haftar, Muammar Khaddafi, Turquia, Líbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar