14:25 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Comboio de militares dos Estados Unidos deixando a Síria.

    Iraque rejeita presença de tropas dos EUA que deixaram Síria

    © REUTERS / AZAD LASHKARI
    Oriente Médio e África
    URL curta
    8291
    Nos siga no

    O Iraque rejeitou nesta quarta-feira (23) a presença de longo prazo de tropas dos Estados Unidos que cruzaram sua fronteira ao deixar o território da Síria.

    O anúncio é uma aparente resposta ao secretário de Defesa dos Estados Unidos, Mark Esper, que está visitando o Iraque e havia afirmado que os militares permaneceriam no país. 

    Depois de se encontrar com Esper, o primeiro-ministro Adel Abdul Mahdi reiterou uma posição já expressada anteriormente: as tropas dos Estados Unidos têm permissão para estar no país, depois de deixar a Síria, apenas de maneira transitória e sua permanência no território iraquiano não será aceita sem permissão. 

    Em comunicado obtido pela agência de notícias Reuters, Abdul Mahdi disse que o Iraque está "tomando todas as medidas legais internacionais" para garantir que as tropas estadunidenses deixem o país conforme solicitado. Ele não forneceu mais detalhes. 

    Esper havia dito inicialmente à imprensa que as tropas que se retirassem da Síria iriam ao oeste do Iraque para combater o Daesh (organização proibida na Rússia) e "ajudar a defender o Iraque", mas ele aparentemente mudou de posição nesta semana ao dizer que os militares voltariam ao seu país de origem. 

    Esper também se encontrou na quarta-feira com seu homólogo iraquiano Najah al-Shammari. Eles discutiram a cooperação militar e "consultaram os eventos militares que a região está passando", afirmou o ministério da Defesa iraquiano em comunicado.

    "Qualquer movimento de tropas dos EUA para fora da Síria e pelo Iraque levará semanas, não dias, e será bem coordenado e terá a aprovação do governo soberano do Iraque. O planejamento para esse esforço está em andamento", afirmou um membro sênior do Ministério da Defesa dos EUA ouvido de maneira anônima pela Reuters.

    As tropas dos EUA ocuparam o Iraque de 2003 a 2011 e são profundamente impopulares em grande parte do país. Abdul Mahdi enfrenta uma crise por conta de violentos protestos anticorrupção nas últimas semanas, deixando-o com pouco capital político para defender os laços com Washington.

    Mais:

    Síria e Iraque abrem posto fronteiriço pela 1ª vez desde 2013
    Com polícia usando munição real, protestos no Iraque deixam 113 mortos
    Sob protestos sangrentos, premiê do Iraque aceita mudar governo
    Bloqueada para impedir protestos, Internet começa a voltar no Iraque
    Governador de Bagdá renuncia em meio a protestos contra o governo no Iraque
    Tags:
    tropas, Estados Unidos, Iraque, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar