16:06 05 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    526
    Nos siga no

    O chefe do Comando Central dos EUA (CENTCOM), general Kenneth McKenzie, disse acreditar que a ação militar de Washington no golfo Pérsico fez o Irã "recuar e recalcular", mas que a ameaça de Teerã continua "iminente".

    McKenzie afirmou, durante uma entrevista a repórteres em Bagdá, que não tem a certeza se os movimentos militares americanos causaram um efeito duradouro em Teerã.

    "É minha avaliação que isto fez com que os iranianos recuassem um pouco, mas não tenho a certeza de que eles estejam recuando estrategicamente […] Não acredito que a ameaça tenha diminuído. Acredito que a ameaça é muito real", declarou à agência AP, complementando que as supostas ameaças do Irã são "avançadas, iminentes e muito específicas".

    Falando em uma entrevista separada à rede de notícias NBC, ele também ressalta que sente que "a ameaça é iminente".

    "Eles [os iranianos] estão sempre à procura de fraquezas […] Eu diria que a ameaça provavelmente evoluiu de certas maneiras, mesmo que nossa postura defensiva tenha mudado e se tornado mais agressiva", destacou.

    Segundo a publicação da AP, o general McKenzie e outros  militares estão tentando equilibrar o número de forças necessárias para evitar um ataque, mostrando prontidão para responder defensivamente e destacando forças militares adicionais para a região do golfo.

    "Cumulativamente, tudo isso fez com que recuassem um pouco e recalculassem o rumo que aparentemente estavam tomando", declarou McKenzie.

    Essa ação poderia desencadear um conflito, ao parecer que Washington está planejando uma ofensiva, escreve a mídia.

    O chefe do Estado-Maior Conjunto, general Joseph Dunford, caracterizou a ameaça como "qualitativamente" diferente das anteriores, acrescentando que foi "mais uma campanha", informou a CNN.

    McKenzie, que assumiu o comando do CENTCOM pouco antes das tensões com o Irã começarem a aumentar rapidamente, foi o primeiro a solicitar o envio de tropas adicionais para a região, segundo The Hill.

    Em maio, os EUA enviaram um grupo de ataque liderado por um porta-aviões, uma força-tarefa de bombardeiros e uma série de forças terrestres para a região do golfo Pérsico, se referindo a uma ameaça não revelada do Irã em meio ao aumento das tensões políticas entre Washington e Teerã.

    As tensões entre Washington e Teerã aumentaram quando os EUA declararam a Guarda Revolucionária iraniana com organização terrorista, além de terem ampliado as sanções contra o comércio de petróleo iraniano. O Irã respondeu classificando o CENTCOM também como entidade terrorista.

    Mais:

    Qual é a probabilidade de ocorrer uma guerra entre EUA e Irã?
    Inteligência de Israel: Irã não obterá bomba nuclear mesmo saindo de acordo nuclear
    Trump não exclui possibilidade de ações militares contra Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar