23:55 17 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Secretário Geral do Serviço de Ação Externa da União Européia (SEAE) Helga Schmid, Diretora Geral da Agência Internacional de Energia Atômica AIEA, Yukiya Amano e deputado político do Ministério das Relações Exteriores do Irã Abbas Araghchi participam de uma reunião especial da Comissão Conjunta de Partes ao JCPOA sobre o acordo nuclear do Irã no palácio Coburg em Viena, Áustria, em 25 de maio de 2018

    UE descarta saída de acordo iraniano após denúncias de 'complô assassino' na Dinamarca

    © AFP 2018 / HANS PUNZ / APA
    Oriente Médio e África
    URL curta
    660

    A posição da Comissão Europeia em relação ao Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA) permanece inalterada, apesar das alegações de "complô assassino" feitas pelo Serviço Dinamarquês de Segurança e Inteligência (PET), disse Maja Kocijancic, porta-voz da Comissão Europeia.

    "Acreditamos que o JCPOA, que tem um objetivo muito claro, precisa permanecer porque é um elemento de segurança, enquanto outras questões precisam ser abordadas com toda a seriedade em paralelo", disse Kocijancic em resposta a uma pergunta sobre o assunto. se o incidente na Dinamarca afetaria a posição da Comissão Europeia no JCPOA.

    O ministro dinamarquês das Relações Exteriores, Anders Samuelsen, afirmou na terça-feira em uma coletiva de imprensa em Copenhague que o país vai pressionar por novas sanções contra Teerã, trabalhando com parceiros europeus em resposta ao incidente.

    Kocijancic afirmou que a Comissão Europeia esperava um interrogatório das autoridades dinamarquesas o quanto antes sobre as acusações contra o Irã.

    "Então, de fato, vimos os relatos de um incidente significativo na Dinamarca ao qual você se referiu. Estamos em contato com as autoridades dinamarquesas em vários níveis e esperamos que eles respondam aos países membros o mais rápido possível", disse a porta-voz.

    Kocijancic acrescentou que a Comissão Europeia se solidarizou com a Dinamarca pelo incidente e condenou qualquer ameaça à segurança europeia, afirmando que o incidente seria levado a sério.

    Na terça-feira, o PET acusou oficiais da inteligência iraniana de um plano de assassinato que supostamente teria como alvo o braço dinamarquês do Movimento pela Libertação de Ahvaz (ASMLA), um grupo insurgente nacionalista que defende um Estado árabe separado na província iraniana do Khuzistão. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Bahram Qassemi, rejeitou as acusações.

    Os Estados Unidos, que insistiram que o Irã violou o JCPOA, anunciaram sua retirada do pacto em maio. Na esteira desse movimento, os demais partidos do pacto multilateral — China, França, Alemanha, Irã, Rússia, Reino Unido e União Europeia — reafirmaram seu compromisso com o acordo.

    Tags:
    União Europeia, Movimento pela Libertação de Ahvaz, Comissão Europeia, Maja Kocijancic, Anders Samuelsen, Bahram Qassemi, Reino Unido, Rússia, Irã, Alemanha, França, China, Khuzistão, Estados Unidos, Dinamarca
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik