07:38 23 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Um homem remove a bandeira iraniana do palco depois de uma foto de grupo com ministros das Relações Exteriores e representantes dos Estados Unidos, Irã, China, Rússia, Grã-Bretanha, Alemanha, França e União Europeia durante as conversações nucleares do Irã no Centro Internacional de Viena em Viena , Áustria (arquivo)

    Novas sanções dos EUA contra Irã dão pouco espaço a concessões

    © AP Photo / Carlos Barria
    Oriente Médio e África
    URL curta
    506

    Os Estados Unidos continuarão exercendo pressão máxima sobre o Irã, resultando em pouquíssimas concessões àqueles que querem fazer negócios com o país persa, afirmou o Assessor de Segurança Nacional dos EUA.

    "Não vamos apenas parar onde as sanções estavam em 2015. Nosso objetivo é essencialmente afirmar que não há concessões às sanções", disse John Bolton em uma entrevista coletiva em Jerusalém nesta quarta-feira.

    Bolton disse que Washington só ofereceu duas concessões — ambas muito limitadas — desde que o presidente Donald Trump saiu do acordo de 2015, que suspendeu as sanções a Teerã em troca de restrições nucleares.

    "Pretendemos aplicar um tipo muito diferente de cumprimento das sanções, do que ocorreu durante o governo Obama", prometeu Bolton.

    Ele alegou que uma "série de medidas" que ele não poderia divulgar publicamente — além das sanções econômicas — são implementadas para ajudar a derrubar as pretenções do Irã e para impedir atividades "malignas" do país na região do Oriente Médio.

    Mais:

    Se atacarem Irã, EUA e seus aliados na região serão atingidos, avisa clérigo iraniano
    Facebook anuncia remoção de 652 contas de conteúdo político ligadas à Rússia e Irã
    Oficial do Irã expressa satisfação com cooperação militar com a Rússia
    Irã apresenta 1º caça completamente produzido no país (FOTOS)
    Irã cobra velocidade da União Europeia para salvar acordo nuclear
    Sanções dos EUA para 'Irã se comportar melhor'
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik