08:41 18 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    As bandeiras da UE na sede em Bruxelas

    Estatuto da UE contra sanções dos EUA não protegerão empresas que negociam com o Irã

    © AP Photo / Virginia Mayo
    Oriente Médio e África
    URL curta
    693

    O reforço e modificação pela UE do seu Estatuto de Bloqueio, que protege as empresas da UE dos efeitos de sanções por um terceiro país, a fim de proibir as empresas de cumprir as sanções americanas anti-Irã não irá proteger as empresas de sanções por cooperar com projetos iranianos, disseram especialistas à Sputnik.

    Desde que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou sua decisão de se retirar o acordo nuclear iraniano e reimpor suas sanções contra a República Islâmica, os esforços dos líderes da UE se concentraram em preservar o status quo nas relações com o Irã e mitigar os efeitos da retirada dos EUA.

    Na quinta-feira, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, anunciou que o sindicato irá alterar seu Estatuto de Bloqueio, a fim de incluir a sanção imposta pelos EUA contra o Irã no regulamento. Assim que as emendas forem adotadas, as empresas da UE serão autorizadas a não cumprir as restrições dos EUA ou até mesmo exigir compensação por perdas causadas pelas sanções dos EUA.

    "A reativação e até a modificação do Estatuto de Bloqueio de 1996 não protegerá as empresas, bancos e até mesmo países da UE do Departamento do Tesouro dos EUA que imponham penalidades. Uma empresa, banco ou governo da UE não teria de fazer negócios direta ou indiretamente com contrapartes americanas para não sentir o impacto das respostas dos EUA", disse o presidente do Departamento de Estudos Eurasianos Centrais da Universidade de Indiana, Jamsheed K. Choksy.

    Choksy indicou que as salvaguardas que a liderança da UE e os governos nacionais podem potencialmente fornecer às empresas da UE não serão capazes de compensar as perdas causadas por não fazer negócios com os Estados Unidos, que é um mercado-alvo para as empresas europeias.

    Choksy explicou que as firmas da UE, na verdade, teriam que escolher entre negócios com entidades americanas ou iranianas, e negócios com empresas americanas são muito mais economicamente viáveis ​​e lucrativas do que negócios com o Irã.

    O chefe do grupo da Europa das Nações e da Liberdade no Parlamento Europeu, Nicolas Bay, concordou com Choksy, dizendo que a importância dos mercados dos EUA e do Irã para as empresas da UE não era comparável.

    Aspirações políticas e interesses econômicos

    Segundo o político, as tentativas de Bruxelas de demonstrar sua independência política e importância ao preservar o acordo nuclear com o Irã sem os Estados Unidos não têm nada a ver com motivos puramente econômicos das empresas da UE.

    "No estado atual da crise, Jean-Claude Juncker, Donald Tusk e a União Europeia estão apenas em comunicação para esconder suas fraquezas, porque Bruxelas não será capaz de forçar os bancos, os fabricantes de automóveis e todas as empresas europeias que dependem do mercado americano para continuar a negociar com o Irã", disse Bay.

    Drieu Godefridi, escritor e ex-diretor do Instituto Hayek, disse que as empresas da UE não abandonariam os interesses pragmáticos para apaziguar os políticos da UE tentando se recuperar da negligência de Trump na parceria transatlântica.

    A Europa terá de pular fora

    "Minha análise, quando Trump anunciou o restabelecimento das sanções, era que os europeus teriam que permanecer. Não há como a Europa seguir um caminho diferente: a América é a espinha dorsal da defesa europeia na OTAN, a América é o primeiro mercado da Alemanha e terceiro da França. Nenhum banco europeu pode sobreviver sem acesso à zona do dólar", previu Godefridi.

    Jacques Leroy, consultor internacional francês sobre negócios no Oriente Médio, acredita que, na situação atual, levando em conta a importância do mercado norte-americano para os países europeus, os governos nacionais tentarão obter algumas isenções para suas empresas individualmente.

    "Todo líder europeu tentará obter 'tratamento especial' de Washington, que é exatamente o que Donald Trump conta. Divida o controle. A Europa terá que se submeter às sanções dos Estados Unidos no final", destacou Leroy.

    A salvação iraniana estará na Rússia e China

    Como a maioria dos especialistas estava convencida de que a dependência da UE dos Estados Unidos não permitiria que Bruxelas preservasse sua cooperação com o Irã, eles sugeriram que a República Islâmica deveria buscar refúgio em parceria com uma Rússia mais independente e com a China.

    "Eu não acho que os políticos da UE tenham o estômago para enfrentar Trump. Os Estados Unidos querem que Irã, Rússia e China caiam de joelhos. Esses três países devem se aproximar um do outro", disse Mohammad Marandi, um professor da Universidade de Teerã.

    Seus pontos de vista foram totalmente compartilhados por Godefridi, que assumiu que a Rússia e a China eram independentes o suficiente da economia dos EUA para seguir seu próprio caminho e negociar com o Irã.

    Tags:
    Universidade de Teerã, União Europeia, Parlamento Europeu, OTAN, Universidade de Indiana, Departamento de Estudos Eurasianos Centrais, Departamento de Tesouro dos EUA, Donald Trump, Mohammad Marandi, Jacques Leroy, Donald Tusk, Nicolas Bay, Jean-Claude Juncker, Alemanha, Rússia, China, Oriente Médio, França, América, Bruxelas, Europa, Irã, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik