04:25 23 Maio 2018
Ouvir Rádio
    O presidente dos EUA, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, se reuniram na quinta-feira, 15 de fevereiro de 2017.

    Ex-Mossad: EUA e Israel podem ajudar um golpe no Irã, ou permitir uma guerra civil

    © REUTERS / Kevin Lamarque
    Oriente Médio e África
    URL curta
    21417

    Os EUA, Israel e Arábia Saudita podem alterar o governo no Irã, e a política de Donald Trump oferece uma abertura para isso, avaliou um ex-funcionário do serviço secreto israelense Mossad, acrescentando que, se um golpe fracassar, os iranianos ainda estariam lutando entre si.

    Haim Tomer, ex-funcionário do Mossad que disse liderar o setor de Inteligência, Contra-Terrorismo e Divisões Internacionais, falou explicitamente sobre possíveis opções para a mudança de regime em Teerã durante uma entrevista ao jornal israelense Jerusalem Post.

    Afirmando que o "Estado islâmico de Khomeini" quer destruir Israel, Tomer argumentou que Tel Aviv pode dar conta da própria segurança.

    "Podemos lidar com a ameaça em si: armas nucleares, mísseis iranianos convencionais. Podemos nos defender contra eles", declarou.

    O ex-chefe de inteligência foi mais longe, dizendo que a política do presidente dos EUA, Donald Trump, sobre o Irã "criou uma grande abertura […] para pesar cuidadosamente a pressão pela mudança de regime como uma meta formal".

    Tomer descreveu como seria um possível golpe no Irã. Israel poderia "ajudar clandestinamente a facilitar a mudança de regime" e os EUA "poderiam apoiá-lo em várias frentes", enquanto os sauditas poderiam financiar o esforço.

    Questionado sobre o que exatamente Israel poderia tentar, ele disse que "ações clandestinas podem levar a mudanças […] Há muito o que o Mossad pode fazer quando recebe uma missão".

    "Não posso entrar nos detalhes […] mas seria clandestino", prosseguiu.

    Ataques no passado

    Tomer, que agora trabalha como consultor de investimentos e tecnologia, disse sem rodeios que o governo iraniano — presidido pelo aiatolá Ali Khamenei — é impopular junto ao público iraniano, e que o próprio líder supremo é velho e tem problemas de saúde.

    Ele disse também que o Mossad, que acredita-se ter realizado várias operações clandestinas em solo iraniano no passado, pode desempenhar um papel crucial na conspiração contra a República Islâmica.

    "O Mossad realiza operações substanciais e complexas — e realizou muitas", referindo-se aos relatórios de 2013 de que a instalação nuclear iraniana em Natanz foi devastada por um malware, o Stuxnet.

    "O Mossad já fez muitas coisas no Irã antes. Este foi um dos mais importantes, mas tem havido operações como essa e talvez ainda mais importantes", comentou.

    O ex-funcionário do Mossad também afirmou que a agência de inteligência israelense é uma das poucas que realiza assassinatos seletivos.

    "[Quanto a] assassinatos seletivos, muito poucas [agências de inteligência estrangeiras] fazem isso. Israel é quem faz, de acordo com fontes estrangeiras", acrescentou. No entanto, ele reconheceu a força iraniana.

    "Eu não estou dizendo que vai ser moleza — o Corpo da Guarda Revolucionária Iraniana e as milícias Basiji são muito fortes", comentou. Mas mesmo que não tenha sucesso, "é melhor ter os iranianos lutando entre si mesmos", concluiu, dando a entender que uma guerra civil seria do interesse de Tel Aviv, Washington e Riad.

    História

    Os líderes israelenses já fizeram declarações semelhantes sobre o assunto no passado.

    "Quando este regime [o governo iraniano] finalmente cair, e um dia acontecerá, os iranianos e israelenses serão grandes amigos novamente", disse o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu em janeiro, em meio a violentos distúrbios no Irã. Ele elogiou os manifestantes que se uniram à época, dizendo que buscavam "liberdade e justiça".

    O Irã já foi alvo de um golpe orquestrado pela CIA que derrubou o primeiro-ministro democraticamente eleito, Mohammad Mosaddegh, em 1953. A CIA e o Departamento de Estado dos EUA deram sinal verde para derrubar Mosaddegh, codinome da Operação Ajax, depois que ele nacionalizou importantes ativos petrolíferos.

    O golpe de Estado seria pensado para dar origem a um novo nacionalismo iraniano, que, no passado recente, abriu caminho para a Revolução Islâmica de 1979 — um grande evento que envenenou as relações EUA-Irã no século 21.

    Mais:

    Irã: silêncio da comunidade internacional incentiva Israel a atacar Síria
    Reino Unido e Israel querem que Rússia impeça novos ataques do Irã
    Israel: Irã precisará de muitos meses para se recuperar após ataques na Síria
    Tags:
    terrorismo, Revolução Islâmica, violência, guerra civil, golpe, espionagem, Guarda Revolucionária do Irã, CIA, Mossad, Mohammad Mosaddegh, Benjamin Netanyahu, Aiatolá Ali Khamenei, Aiatolá Khomeini, Haim Tomer, Arábia Saudita, Estados Unidos, Israel, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik