22:41 26 Maio 2018
Ouvir Rádio
    África no globo (imagen referencial)

    Rússia estabelece seu 'baluarte econômico' na África nas próximas décadas

    CC0 / Pixabay
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4160

    O comércio entre a Rússia e o Egito, que tem aumentado nos últimos anos, em breve receberá mais um grande impulso: os dois países estão se preparando para assinar o acordo bilateral sobre a criação da zona industrial russa na cidade egípcia de Port Said, localizada no canal de Suez.

    É previsto que o documento seja assinado em maio, possivelmente no dia 23. Os investimentos na primeira área industrial russa no exterior serão aproximadamente de US$ 7 bilhões (R$ 24,9 bilhões).

    É um projeto único para Moscou, e a experiência com o Egito pode servir de base para outros projetos semelhantes, disse Veniamin Popov, diretor do Centro de Cooperação entre Civilizações do Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou (MGIMO).

    Sobre isso, o presidente do Conselho de Negócios russo-egípcio, Mikhail Orlov, perante a Câmara de Comércio da Rússia revelou que o comércio entre os dois países tem se aumentado em 4 ou 5 vezes nos últimos anos, sendo esta uma das prioridades para o Conselho.

    "Trata-se de alimentos, agricultura, medicamentos e energia, especialmente a construção da usina nuclear russa no Egito. Agradecemos muito o governo egípcio por estar disposto a cooperar em projetos russos que visam fortalecer as relações econômicas entre as duas partes", declarou.

    A ideia do projeto surgiu em 2014 após a reunião do presidente russo, Vladimir Putin, com seu homólogo egípcio, Abdel Fattah al-Sisi. Em 2016, a iniciativa foi finalizada e o documento será assinado já neste ano.

    É uma iniciativa de longo prazo. Segundo estimativas anteriores, a criação da zona industrial russa na área do canal de Suez demorará 13 anos.

    No entanto, espera-se que a partir de 2026 a produção dos moradores da área seja avaliada em aproximadamente US$ 3,6 bilhões (R$ 12,8 bilhões) por ano.

    No momento, o maior interesse em ser residentes foi expresso por empresas farmacêuticas e automotivas russas.

    Além disso, os fabricantes de máquinas pesadas consideram transferir uma parte do processo de produção para a nova zona com objetivo de reduzir os custos e facilitar as entregas de seus dispositivos aos parceiros no continente.

    Uma causa importante do interesse de Moscou na área é a possibilidade de entrar no mercado egípcio como um parceiro privilegiado. Cairo, por sua vez, receberá acesso imediato a produtos russos de alta tecnologia, bem como investimentos significativos e milhares de novos empregos para seus cidadãos.

    Além disso, o acesso ao canal estratégico de Suez dará às empresas russas a oportunidade de exportar seus produtos industriais mais facilmente por toda a África, sul da Europa, golfo Pérsico e até mesmo para regiões mais distantes, como a América Latina.

    Mais:

    Fazendo o francês grande de novo: Macron olha para a África
    Como China e Estados Unidos disputam influência na África
    Estrategista: 'Missão de paz de soldados brasileiros vai enfrentar combate real na África'
    Especialista: China está ganhando luta pelo domínio na África
    Tags:
    investimentos, comércio bilateral, cooperação econômica, zona econômica exclusiva, Abdel Fattah al-Sisi, Vladimir Putin, Canal de Suez, Egito, Rússia, África
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik