12:18 19 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Fronteira entre Turquia e Síria

    Para Turquia, destino de Assad deve ser decidido pelo povo sírio

    © REUTERS / Murad Sezer
    Oriente Médio e África
    URL curta
    860

    Seja qual for a atitude de Ancara em relação ao governo sírio do presidente Bashar Assad, cabe ao povo sírio decidir sobre seu destino futuro, disse na sexta-feira (6) um funcionário do Ministério das Relações Exteriores turco.

    Na quarta-feira (4), uma reunião trilateral de presidentes iranianos, russos e turcos sobre o assentamento sírio foi realizada em Ancara.

    "O Irã entende a sensibilidade da Turquia para as questões de segurança nacional, [ao mesmo tempo] apóia a integridade territorial da Síria. Mas nós temos desentendimentos com Teerã: eles querem que o trabalho seja coordenado com o regime sírio e, ao fazê-lo, o defende. Atualmente não temos nenhum contato direto com o regime [sírio], mas cabe ao povo sírio decidir [sobre seu futuro]", disse o funcionário a repórteres, comentando o resultado da cúpula trilateral dos estados que garantem o cessar-fogo da Síria.

    O diplomata indicou que a Turquia apoiou a oposição síria com vista a alcançar a estabilidade no país.

    "Os países que apoiam [o presidente sírio Bashar] Assad têm que navegar entre negociar com ele e exercer pressão sobre ele", acrescentou o funcionário.

    As forças armadas turcas estão atualmente envolvidas em uma operação militar no norte da Síria que visa libertar a área de grupos armados curdos. Damasco condenou firmemente a operação como um ataque à soberania da Síria.

    Mais:

    Ataque contra universidade na Turquia deixa ao menos 4 mortos (VÍDEOS, FOTO)
    'Concessão sem precedentes': Rússia tornará sonho mais precioso da Turquia em realidade
    Erdogan: Turquia e Rússia combaterão terrorismo juntas na Síria
    Putin e Erdogan pretendem acelerar a entrega de sistemas S-400 para Turquia
    Tags:
    Guerra da Síria, Bashar Assad, Teerã, Damasco, Ancara, Irã, Turquia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik